NOSSAS REDES

ACRE

Trio é condenado pela morte de dois compradores de gado na zona rural de Rio Branco

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Penas fixadas para os réus somam mais de 84 anos de reclusão e deverão iniciar o cumprimento da pena em regime fechado.

O Juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco condenou três pessoas denunciadas pela morte e ocultação de cadáver de dois compradores de gado. Com isso, a mulher que atraiu as vítimas para sua propriedade rural, com finalidade de roubá-los, deverá cumprir 27 anos, seis meses de reclusão. O caseiro foi condenado à pena de 27 anos, três meses e 15 dias, e, o terceiro envolvido, outro funcionário, que matou as vítimas, a 31 anos, 10 meses e 15 dias. Todos os três com deverão cumprir a pena em regime inicial fechado.

Além disso, conforme a decisão, publicada na edição n°6.166 do Diário da Justiça Eletrônico, desta terça-feira, 31, o juiz sentenciante estabeleceu a pena de multa a cada um dos condenados, em 146 dias multa.

O crime aconteceu em julho de 2017, na Colônia As Moreninhas, no Ramal do Mutum, em Rio Branco. Os três acusados, conforme a denúncia, agindo juntos e usando violência, roubaram R$ 4 mil e dois celulares das duas vítimas. Ainda dos autos, extrai-se que a violência empregada para o crime acabou resultando na morte dos compradores de gado. Em seguida, os três ocultaram os cadáveres, enterrando-os.

Sentença

Após avaliar o caso, o magistrado ponderou que os três denunciados cometerem dois latrocínios, por serem duas vítimas, assim como cometeram o crime de ocultação de cadáver (artigo 157, §3°, última parte, por duas vezes, na forma do art.70, caput, última parte e art. 211, tudo combinado com art.69, todos do Código Penal).

Apesar das defesas dos acusados terem argumentado pelo afastamento do latrocínio, o juiz de Direito verificou que foi este o crime praticado por eles, “uma vez que restou comprovado o dolo específico dos acusados de subtraírem os bens e valores das vítimas, retirando a vida (…), a fim de garantir a empreitada criminosa, condutas essas que se enquadram no tipo legal de latrocínio”. Gecom TJAc.

Entenda as mortes

Assassinados: Jean Carlos de Almeida, e Fernando de Oliveira, eram compradores de gado.

Charles Fernandes de Araújo de 29, Jessé Oliveira Rodrigues de 30 e Irades da Silva Barros de 28 anos, foram denunciados pelos assassinatos de Jean Carlos de Almeida, 42 anos e Fernando de Oliveira, 54 anos. O crime aconteceu no dia 08 de Junho do ano passado no Ramal do Mutum.

Os corpos enterrados numa cova rasa foram encontrados quase dois meses depois.  O trio é acusado de duplo latrocínio, o roubo seguido de morte e dupla ocultação de cadáver. De acordo com a polícia, Irades, planejou o crime para roubar seis mil reais das vítimas.

 

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco