NOSSAS REDES

ACRE

Reclassificada de fase, Rio Branco publica decreto com setores que podem reabrir na pandemia

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Todas as regionais do Acre estão na fase de alerta sinalizada pela cor laranja. Prefeitura autorizou abertura de lojas, shopping, salão e hotéis seguindo protocolos.

CAPA: Reclassificada de fase, Rio Branco publica decreto com setores que podem reabrir durante pandemia — Foto: Marcos Vicenti/Arquivo pessoal.

Após Rio Branco mudar da situação de emergência para a de alerta, sinalizada pela cor laranja, a prefeitura publicou um decreto que orienta o protocolo de reabertura do comércio na capital acreana.

No decreto publicado na edição desta terça-feira (21) do Diário Oficial do Estado (DOE), a prefeitura de Rio Branco traz um manual com a lista dos setores que estão autorizados a abrir na faixa laranja e determina os protocolos e critérios.

Na segunda avaliação do Pacto Acre Sem Covid, feita entre os dias 5 e 18 de julho, o comitê que acompanha os casos nas cidades acreanas anunciou que todo Acre passou para a fase de alerta, representada pela cor laranja. O anúncio foi feito na tarde dessa segunda-feira (20) pela equipe do governo do estado.

As fases são definidas por bandeiras: a vermelha é de emergência e as demais fases do planejamento são: alerta, simbolizada pela cor laranja; atenção, pela cor amarela e cuidado na cor verde.

O que pode reabrir

Para elaboração do manual, a prefeitura de Rio Branco seguiu determinação do decreto estadual, que define as regras para reabertura dos setores em cada uma das quatro fases.

Na fase laranja, lojas de móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, comunicação, informática, áudio, vídeo e colchoarias podem reabrir seguindo protocolos sanitários: a capacidade limitada a 30% do total, além de delivery e drive-thru.

Também podem reabrir as lojas de materiais de construção, empresas e obras do ramo da construção civil e demais estabelecimentos como olaria, cerâmicas, serraria, marcenarias marmoraria seguindo os protocolos de 30% da capacidade e todas as medidas de distanciamento e higienização.

Bares também podem funcionar nessa fase, mas, exclusivamente, com atendimento delivery ou drive thru. A medida também vale para os restaurantes, pizzarias, lanchonetes, sorveterias e similares que também podem funcionar somente com delivery e/ou drive-thru.

Escritórios e atividades do ramo imobiliário podem voltar, porém com agendamento prévio limitado a uma pessoa por vez.

As concessionárias e lojas de automóveis e motocicletas, oficinas mecânicas, serviços de manutenção veicular em geral, lojas de autopeças estão autorizadas a reabrir nesta fase, mas com com capacidade limitada a 30% do total para visitação e agendamento prévio.

O shopping, galerias e centros comerciais podem voltar também com capacidade limitada a 30% do total, além de delivery, drive-thru e pague-leve. A prefeitura proibiu o funcionamento da praça de alimentação e áreas recreativas.

Os salões de beleza, clínica de estética e similares estão na lista dos setores autorizados a reabrir as portas, porém com capacidade limitada a 30% do total e com agendamento.

No caso dos hotéis, pousadas, motéis e similares podem voltar com capacidade limitada a 30% do total, mas está proibida a utilização das áreas de uso coletivo, como restaurantes, academias, clubes e piscinas.

Comércio de rua e ambulantes em geral e feiras livres pode voltar seguindo protocolos sanitários, barreira física, marcação horizontal e serviço de pague-leve.

Setores que não podem voltar

A prefeitura determinou que os espaços públicos, como parques, quadras poliesportivas, campos de futebol comunitário, espaços destinados para atividades físicas e similares, que ocasionem aglomeração de pessoas, não estão autorizados a reabrir nesta fase.

Os teatros, cinemas e apresentações culturais também não podem voltar a funcionar. Assim como os eventos religiosos em templos ou locais públicos, de qualquer credo ou religião, inclusive reuniões de sociedades ou associações sem fins lucrativos.

As academias de ginástica, clubes esportivos e de lazer e similares também fazem parte da lista dos que não podem voltar.

Centros e escolas de formação e capacitação, estúdios de dança, escolas/estúdios de música, centro de formação de condutores de veículos automotores e similares continuam com as atividades suspensas. Assim como os eventos, feiras, seminários e congressos.

Covid-19 em Rio Branco

Com pouco mais de 407 mil habitantes, a capital acreana registra a maioria dos casos de Covid-19 do estado. Segundo boletim da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), divulgado nesse domingo (19), Rio Branco tem 8.438 casos da doença. Em todo Acre são 17.462 casos.

Do total de 465 mortes causadas pelo novo coronavírus, a maior parte também se concentra em Rio Branco, com 312 óbitos e uma taxa de letalidade de 3,7.

No ranking da incidência da doença, a capital aparece em 7º lugar, com uma taxa de 207 casos para cara 10 mil habitantes. Os municípios de Assis Brasil e Bujari apresentam as maiores incidências do estado com 330 e 282,5 para cada 10 mil habitantes, respectivamente.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco