NOSSAS REDES

CAPA

QUASE FATAL: Vídeo e Entrevista com jovem sobrevivente de atropelamento por mototaxista.

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O vídeo mostra o momento quase fatal, em Tarauacá, onde a jovem Richaele quase perdeu a vida, após ser atropelada pelo mototaxista Marnilson.

A reportagem entrevistou a vítima, Richaele.

Tarauaca.net: Conta pra gente como foi o acidente ? O vídeo é esse mesmo?

Richaele: Sofri um acidente, conforme se vê no vídeo. Um sujeito [palavras censuradas pela Redação] bateu na minha moto. Tentei desviar. Mas, mesmo assim ele jogou a moto dele pra cima de mim. Daí em diante não lembro de mais nada. Só lembro quando eu estava na sala de cirurgia, em Cruzeiro do Sul. Vou passar 60 dias só tomando líquido. Depois, retorno pra Cruzeiro do Sul. Estou me recuperando lentamente. 

Tarauaca.net: O condutor da motocicleta, que é mototaxista em Tarauacá, você conhece ? Prestou assistência ou socorro ?

Richaele: Conheço de vista, se chama Marnilson. Não prestou nenhum socorro nem ajuda, até hoje. Segundo consta no Boletim de Ocorrência, lavrado pela Polícia Militar, ele confessou que estava bêbado. Segundo o Boletim da Polícia Civil e Militar e do Corpo de Bombeiro, o mototaxista estava bêbado.

Tarauaca.net: Me conta sobre teu corpo, como você tá ?

Richaele: O atropelamento, conforme se vê no vídeo, cortou um vaso sanguíneo do meu braço. Perdi muito sangue. Estou com dificuldades de fazer qualquer movimento, até de falar não consigo direito. Estou muito triste.

Tarauaca.net: Amigos tem visitado você ? Existem amigos de verdade no mundo?

Richaele: Sim, existem amigos de verdade, muitos. É nessa hora que realmente conhecemos os amigos. Graças à Deus tenho muitos amigos de verdade, prestando solidariedade. Minha gratidão à todos eles. 

Tarauaca.net: No dia do atropelamento, a atuação do policiamento de trânsito, que é realizado pela Polícia Militar, como foi ?

Richaele: Não foi boa a atuação nem a assistência. Após retornar minha consciência, soube por terceiros, que supostamente o mototaxista que me atropelou, tem vários problemas com álcool. A Polícia sequer fez o teste de bafômetro do mototaxista que me atropelou. Inclusive meu primo pediu a realização do bafômetro e do exame DE sangue e toxicológico, e nada foi feito. Primeiramente, no Hospital Dr Sansão Gomes, meu primo foi informado que não era possível realizar tais exames, porque o hospital não tinha recursos para tais procedimentos, bem como se o Policial quisesse atestar teor alcoólico em alguém poderia pegar e fazer com o aparelho Etilômetro (bafômetro), da própria Polícia Militar. Então, meu primo ligou para o 190, e o policial plantonista, que atendeu a ocorrência, disse que os equipamentos estavam todos os bafômetros com problema.

Tarauaca.net: O que a Polícia Militar disse ?

Richaele: Ele (meu primo) solicitou suporte do quartel da PMAC. Mas a PM informou, no ato da ligação pelo 190, que não seria possível, porque os Etilômetros estavam todos com problemas. Nenhum funcionando.

Tarauaca.net: Como foi a recepção no Hospital Dr Sansão Gomes ?

Richaele: O acidente ocorreu no sábado. Fizeram uma pequena cirurgia aqui no HSG. Na segunda fui transferida pra Cruzeiro do Sul.

Tarauaca.net: Você já foi intimada para comparecer à Delegacia de Polícia ou ao Juizado de Trânsito da Justiça? Há processo judicial para apurar o atropelamento ?

Richaele: Não fui até hoje intimada de nenhum procedimento. Inclusive, um amigo pesquisou no site da Justiça, e nenhum procedimento ou processo foi instaurado para apurar esse crime de trânsito; na pesquisa no Site da Justiça, não há nada no meu nome, ou no nome do mototaxista que me atropelou. Eu não entendo o porquê, a Justiça ainda não apurou nada. Aliás, todos sabem que é crime conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência, assim como é crime não prestar socorro a vítima de acidente de trânsito, dentre outros crimes. Ninguém até hoje, me telefonou para entregar o Boletim do Acidente de Trânsito – BAT, ou me intimar de alguma audiência. Eu não sei se a Justiça está apurando. Isso não foi um acidente, foi um crime. Estou até hoje, esperando a atitude dos órgãos públicos, com relação ao meu atropelamento.

Veja o vídeo aqui:

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Homem é morto com pelo menos dois tiros e encontrado atrás de centro de recuperação em Rio Branco

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Antônio Luan Viana de Lima foi morto na noite dessa segunda-feira (7) com pelo menos dois disparos de arma de fogo. O Crime ocorreu na Travessa Sucupira, no bairro Calafate, em Rio Branco.

O Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) informou que a ocorrência foi gerada ainda como tentativa de homicídio, mas quando a guarnição chegou ao local, ele já estava morto.

Lima teria saído de uma área de mata e foi encontrado atrás de um centro de recuperação nas proximidades do campo do Vaz ferido e pedindo socorro. O solicitante também informou à polícia que não chegou a ouvir o disparos e não soube repassar mais informações.

A Polícia Militar ao chegar ao local já encontrou a vítima morta, segundo o Ciosp. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu) também foi acionado, mas apenas constatou o óbito de Lima.

O local foi isolado para os trabalhos da perícia técnica e o corpo do homem foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para realizar os exames cadavéricos.

Continue lendo

ACRE

Após 56 dias internada, técnica de enfermagem morre por complicações de Covid-19 em Rio Branco

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A gente não tem, nesse momento, mais palavras para expressar a mulher guerreira, batalhadora, que estava ali sempre ajudando muitas pessoas”. É assim que Luzineide da Silva Correia, cunhada da técnica de enfermagem Rosinalda de Macedo Bastos, de 38 anos, expressa a dor da perda dela.

Rosinalda, que era mais conhecida como Rose, morreu nesta segunda-feira (7) após 56 dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Pronto-Socorro de Rio Branco, vítima de complicações de Covid-19.

“A Rose, para nós, representava uma pessoa guerreira, batalhadora, uma pessoa que sempre lutou para ajudar o próximo, as pessoas que estavam doentes. É uma perda muito grande para a família e para a saúde”, lamentou a cunhada em entrevista à Rede Amazônica Acre, na manhã desta terça (8).

O pronto-socorro da capital acreana foi também o local onde Rose passou parte de sua vida. Ela atuava na linha de frente no hospital, na UTI da ala Covid-19, antes de adoecer. A Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre) informou que a morte da servidora deve constar no boletim desta terça.

“Ela trabalhava na linha de frente no combate à Covid-19, na UTI, então, para gente, é uma dor que não tem palavras para explicar porque mais um na enfermagem que se foi, na saúde”, disse Luzineide.

Dias de luta

A cunhada contou que Rose lutou 56 dias contra a doença, se curou, mas teve outras bactérias e morreu por complicações da doença. A informação também foi confirmada pela direção do PS, que disse que ela teve Covid-19, depois os exames deram negativo, e ela morreu por complicações devido a infecções.

Além disso, Luzineide acrescentou que após os exames darem negativo, Rose voltou ao trabalho e duas semanas depois começou a sentir febre, foi quando ela precisou ser internada.

“Quando a gente soube que tinha renovado, a nossa preocupação aumentou porque ela estava trabalhando dentro da UTI da ala Covid no pronto-socorro”, acrescentou.

Luzineide acrescentou que a cunhada deixa saudades a todos e que a família ainda está muito abalada.

“A família está muito abalada, muitas pessoas vieram prestar homenagem aqui e os amigos que ela deixou uma saudade imensa no nosso coração, a família está sem entender, porque a Rose deixou um legado muito grande, deixou filhos”, concluiu.

Colaborou o repórter Lidson Almeida de Rede Amazônica Acre

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco