NOSSAS REDES

ACRE

Pressões e chantagens aumentarão se Gladson fraquejar e perder popularidade, analisa especialista

Acjornal, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O mestre em Ciências Sociais Nilson Euclides da Silva, professor da Ufac, disse não acreditar “que estejamos diante de um rompimento definitivo entre o governador e a sua base”. Segundo avalia, “a infidelidade política e troca de favores não devem estampar as manchetes de jornais e portais da internet, e muito menos ir parar nas páginas no Diário Oficial. A articulação com lideranças falhou ao permitir que a crise se tornasse pública”.

Sobre as exonerações (340 comissionados indicados por deputados da base aliada) “não cabe aqui discutir se é ou não justa a forma de ocupação destes cargos. Os deputados que “traíram o governo” vão continuar empregados. E se a popularidade do governador, que hoje é alta, começar a diminuir, esses deputados irão aumentar a sua capacidade de chantagem do parlamento estadual em relação ao governo”, interpreta o cientista político.

O professor ensina que Cameli precisa refletir muito sobre os impactos políticos que as suas ações vão ter. “Acredito que o governador ainda tem margem para negociar e colocar as relações do seu governo com o parlamento nos trilhos do bom senso. Mas não creio que o governador irá desfazer tudo que fez. Se desfizer estará cometendo outro erro que afeta diretamente a sua imagem de líder político. Acredito que neste caso ele deve usar a máxima de que em “política um governante deve fazer a maldade de uma só vez e a bondade em pequenas doses”, afirmou.

Sobre as contratações futuras e as recontratações (nesta terça voltaram alguns exonerados) devem ser cautelosas e seguir o rito das conversas em gabinetes. cada uma a seu tempo e lugar. Neste momento o governador não pode terceirizar isso, até porque não vejo nenhum articulador próximo a ele que tenha esta capacidade. E se o vice governador mantiver o silêncio e a cautela nos seus pronunciamentos já estará ajudando muito”, concluiu o professor.

Sobre Nilson Euclides

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Acre (1999), mestrado Ciências Sociais – Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e doutorado em Ciências Sociais – Política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2009). Tem experiência nas área de Ciência Política e Sociologia, com ênfase em partidos políticos e governos, atuando principalmente nos seguintes temas: democracia, poder, sociedade, políticas sociais e segurança pública, comportamento político, espaços decisórios e partidos políticos.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco