NOSSAS REDES

ACRE

MPAC monta estratégia interinstitucional para acompanhar casos críticos de dependência química

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio do Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial (Natera) implantou, na tarde desta segunda-feira (16), em reunião com diversas instituições, a sala de situação que vai acompanhar casos críticos envolvendo dependentes químicos e moradores de rua.

A reunião, que contou com a presença de órgãos de segurança pública, saúde, assistência social, além de movimentos sociais, foi também uma oportunidade para selar o compromisso de buscar caminhos para construir uma atuação institucional conjunta.

Com isso, o objetivo do MPAC é dar uma atenção imediata e resposta concreta aos casos de pessoas que estão em situação de extrema vulnerabilidade decorrente do uso abusivo de drogas, como transtornos mentais e doenças graves, muitas vezes abandonadas pelos familiares ou então consideradas invisíveis pela sociedade.

“São pessoas que já não conseguem interagir com a realidade e que precisam de uma atenção diferenciada. Por isso que a gente chama de uma sala de situação, quer dizer algo focado, com base em informações para tomar decisões de casos críticos, que desafiam todas as áreas”, disse o coordenador administrativo do Natera, Fábio Fabrício Pereira.

Por sua vez, o presidente da Associação Brasileira de Redução de Danos (Aborda), Álvaro Mendes, entidade que trabalha com a redução de problemas relacionados ao uso de drogas, ponderou que o poder público precisa construir uma política pública inclusiva para esses usuários de drogas que estão mais vulneráveis.

“O MPAC está de parabéns por reunir gestores, movimentos sociais e outras instituições para a gente pensar de uma forma mais igualitária em todos os serviços, em forma de rede, para que tenhamos um atendimento com qualidade, mais inclusivo, com direitos dessa população, que é invisível. É muito importante porque a Aborda, em nível nacional, está junto aqui no Acre fazendo parte dessa iniciativa”, disse Álvaro.

Ao final do encontro, os vários atores presentes pactuaram que alguns casos apresentados serão objeto de estudo e de intervenção interinstitucional, sob o comando do Centro de Atenção Psicossocial (Caps 2), que trata de transtornos mentais. Por Jaidesson Peres – Agências de Notícias do MPAC. Fotos: Clovis Pereira.

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco