NOSSAS REDES

ACRE

Incêndio em lixão de Rio Branco dura 16 dias e bombeiros já usaram mais de 750 mil litros de água em combate

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Oincêndio no aterro de resíduos sólidos da Rodovia Transacreana, em Rio Branco, ainda não foi controlado e já dura 16 dias. Diariamente, equipes do Corpo de Bombeiros do Acre e da prefeitura seguem no local fazendo o combate.

O fogo começou no último dia 24 de agosto. Em média, são usados de 50 a 60 mil litros por dia e, segundo os bombeiros, até esta terça-feira (8) já foram usados mais de 750 mil litros de água no combate. A quantidade de água é suficiente para abastecer cerca de 750 famílias acreanas.

Esse é o terceiro ano consecutivo que ocorre o incêndio no aterro sanitário. Em 2018, o fogo começou em julho e levou mais de 50 dias para ser combatido. Já em 2019, o incêndio iniciou no final do mês de agosto e só foi controlado 47 dias depois por bombeiros e equipes da prefeitura.

Em 2020, mesmo com os esforços, os bombeiros avaliam que o combate deve durar mais de 40 dias também.

“A gente espera que seja controlado em menos tempo do que nos anos anteriores, mas a média é em torno de 50 dias de combate. Acontece que o incêndio no lixão fica em profundidade, ou seja, o fogo é subterrâneo e na superfície fica apenas a fumaça intensa. Então, a dificuldade é justamente porque a gente não consegue chegar ao fundo, já que são várias e várias camadas de entulho e elas vão firmando na terra”, explicou a cadete Laiza Mendonça, da assessoria do Corpo de Bombeiros do Acre.

No último dia 3 de setembro, uma equipe da Rede Amazônica Acre flagrou vários catadores que mesmo durante o incêndio continuam visitando o aterro em busca de recicláveis para vender e conseguir algum dinheiro.

O serralheiro Paulo Oliveira é um dos que se arrisca em meio à fumaça tóxica do incêndio. “A gente fica meio indeciso, mas a necessidade exige”, disse.

Leandro Silva Oliveira também estava no local para conseguir algo para vender e garantir o sustento da família. “A gente fica [com receio], mas tenho família e não vão dar dinheiro se não for atrás. Vendo com um preço básico e dá para viver”, falou.

Carros-pipas da prefeitura também auxiliam no combate com os bombeiros — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros do Acre

Carros-pipas da prefeitura também auxiliam no combate com os bombeiros — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros do Acre

Fumaça tóxica

O pior problema desse incêndio é a fumaça com resíduos químicos que sai do aterro e chega até os moradores e também atinge os trabalhadores. O químico Alcides Santos explicou os riscos de respirar essa fumaça.

“A queima de lixo libera substâncias perigosas para a saúde humana. Todo aterro sanitário e lixão vai liberar gases que são produzidos pela decomposição da matéria orgânica. No entanto, o que está acontecendo na [Rodovia] Transacreana é uma queima não só de biogás que é produzido, mas estão sendo queimados plásticos, resíduos de eletrônicos, que liberam substâncias perigosas, cancerígenas, e que podem, com o tempo de exposição prolongado, causar doenças graves na população”, destacou.

Ainda segundo o especialista, a queima de lixo em aterros como o da rodovia deve ocorrer por décadas caso não seja feito um planejamento para o tratamento adequado para os resíduos.

O químico explicou que um dos caminhos para o fim desse problema seria a utilização de incineradores. Contudo, no aterro é difícil implantar a medida porque o lixo está soterrado em várias camadas.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco