NOSSAS REDES

ACRE

Gêmeos morrem na barriga da mãe e pai acusa maternidade de Rio Branco de negligência

Folha do Acre, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Dois bebês gêmeos morreram durante o parto na Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco, no dia 3 de abril. O pai Vilmar Alemão acusa a unidade de saúde de negligência médica. As crianças teriam morrido por causa da demora para a realização do parto, alega o denunciante.

De acordo com informações de Alemão, sua esposa chegou à maternidade no dia 31 de março, às 12h, e só conseguiu ser internada em um leito após as 00h. Ele relata que entre os dias 1º e 3 de abril a paciente teria recebido apenas medicação para dor e injeção para segurar o bebê.
No dia 3, como recorda o pai, foi verificado por um enfermeiro que um dos dois corações havia parado de bater. Sem respostas, o casal esperou até 17h, quando um médico pediu uma ultrassonografia de urgência.
“Foram bater a ultrassonografia era 20h30 e o outro já não estava vivo. Esse mesmo médico mandou ela de volta para o leito, pra esperar a documentação. Não tinha mais nada pra fazer, tinha que chamar o médico”.
Após a ultrassonografia, a mãe teria esperado mais de uma hora por atendimento e resolveu pedir ajuda em outro pavilhão da maternidade.
“Depois disso [ultrassom], ela passou uma hora e vinte no leito, levantou sozinha e foi procurar ajuda em outro pavilhão. Encontrou um médico que não tinha nada a ver e pediu: Doutor, me salva. Esse médico colocou ela na maca e correu para fazer a cesárea, quando chegou lá o outro tinha acabado de morrer. Eles mataram meus dois filhos”.
Inconformado e abalado com a situação, Alemão relata ainda que os filhos estavam prontos para nascer e alega negligência por parte dos médicos e enfermeiros da unidade.
“Eles estavam prontos pra nascer. Quando eu levei ela domingo para o hospital, ela tinha dilatado quatro centímetros. De domingo até quarta, os médicos só aplicaram injeção para segurar os bebês e para dor. Quero esses médicos na cadeia. Não vou deixar mais esses médicos matarem crianças, porque os meus filhos não voltam”, lamentou.
Ao Jornal A GAZETA, Alemão contou que procurou o Ministério Público, a Polícia Civil e até a Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) para pedir ajuda. O fato deve ser apresentado na sessão desta terça-feira, 9, na plenária. O laudo do IML deve ficar pronto em sete dias, conforme foi informado ao pai.
“Minha esposa está com depressão, chora muito e está com um corte monstro na barriga. Quero ver se consigo pelo Estado uma assistência de psicólogo ou psiquiatra. O trauma foi muito grande, a perda foi muito grande”.
Maternidade abrirá sindicância
A reportagem tentou falar com o diretor da Maternidade Bárbara Heliodora, Wagner Camelo Bacelar, mas foi informada de que uma nota de esclarecimento sobre o fato foi divulgada.
Conforme a nota, a então paciente foi internada com gestação gemelar de fetos prematuros. Em seguida, ela teria sido a medicada e o médico solicitado os exames pertinentes ao caso.
“Durante o dia dois e três de abril, permaneceu internada sendo assistida por médicos obstetras sem apresentar intercorrências, com exames normais. Inclusive com exames de ultrassonografia dos fetos”.
O texto informa que o óbito foi detectado no dia 3 de abril por volta das 16h40 e ressalta a complexidade do caso.
“Salientamos que por ser um caso complexo que envolve gestação gemelar com fetos prematuros, fica extremamente difícil de emitir um parecer de imediato. Será necessário abrir uma sindicância composta por médicos especialistas, para constatar se houve negligência médica ou não”.
Caso seja constatado negligência médica, segundo a nota, os responsáveis serão punidos de forma rigorosa. “Salientamos esse compromisso com toda sociedade de que havendo culpados os mesmos serão responsabilizados”

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco