NOSSAS REDES

GREVE

Funcionários dos Correios planejam nova greve para quarta-feira

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Categoria pede reajuste salarial de 5%, retorno do convênio médico e permanência do tíquete-refeição nas férias.

Os funcionários dos Correios ameaçam entrar em greve nacional por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (8) para reivindicar reajuste salarial de 5% para a categoria. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares de São Paulo (Sintect-SP), uma assembleia nesta terça-feira vai decidir a paralisação.“Estamos pedindo a manutenção do nosso acordo coletivo. A empresa está pedindo exclusão de várias cláusulas, como assistência médica, vale-cultura e programa de participação nos lucros ou resultados (PLR) alegando estar em uma crise financeira”, afirma Douglas Melo, diretor do sindicato.
Além do reajuste salarial, os funcionários pedem o retorno do convênio médico, permanência do tíquete-refeição nas férias, do adicional de férias de 70% e do vale-cultura.Em março deste ano, uma outra greve da categoria reuniu 91% do efetivo da empresa, segundo o sindicato. Procurado, os Correios afirmam que ainda estão em negociação com as representações sindicais. Veja.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Com 3 meses de salários atrasados, motoristas de ônibus fazem protesto e paralisam em Rio Branco

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Ato ocorreu na frente do Terminal Urbano nesta terça-feira (19). Profissionais também alegam falta de EPIs.

Com 3 meses de salários atrasados, motoristas de ônibus fazem protesto e paralisam em Rio Branco — Foto: Ônibus não saíram do Terminal Urbano em Rio Branco nesta terça-feira (19).

Motoristas de ônibus resolveram parar as atividades na manhã desta terça-feira (19) protestando contra o atraso de três meses de salário. De acordo com o líder do movimento, Gleyson Fernandes, motorista da Auto Viação Floresta, a situação está insustentável e muitos profissionais estão passando fome.

A categoria cruzou os braços e se concentrou em frente ao Terminal Urbano, depois seguiu para a frente da prefeitura, no Centro de Rio Branco.

“Nosso pagamento está atrasado desde março abril e maio. Sem contar nosso FGTS e INSS. Queria que a prefeita da cidade desse um olhar especial ao transporte coletivo da cidade de Rio Branco, porque está sendo o caos. Os ônibus estão rodando porque ainda tem alguns motoristas que acham que isso aqui vai funcionar e não vai funcionar do jeito que tá. A situação é realmente precária, estamos passando necessidade, passando fome”, alega.

Além de salários atrasados, os motoristas também tiveram auxílio cortados e convênios suspensos. “Cortaram nossas horas extras por conta do coronavírus. Agora, o salário é só o base da carteira e nem assim ela consegue nos pagar. Então, a empresa está nos mostrando realmente que ela não tem compromisso com os trabalhadores e sociedade de Rio Branco”, se revolta.

O Sindicato dos Transportes do Acre (Sinttpac) confirmou o atraso nos salários e disse que vem tentando negociar com a empresa há meses, mas que recebe a informação que a empresa está sem condições de pagar. Francisco Marinho, presidente do sindicato, diz que alertou a categoria pelo fato de parar 100%, mas não teve sucesso.

“Acontece que eles estão passando por necessidade e querem receber. Não tem mais como controlar”, diz.

Motoristas alegam que não recebem apoio da empresa e nem EPIs — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre.

Sem EPIs

A categoria alega ainda que está trabalhando sem os equipamentos de proteção, inclusive, uma das exigências da prefeita Socorro Neri ao reduzir a frota de ônibus por conta da pandemia.

As empresas deveriam fazer a higienização dos carros e disponibilizar os EPIs aos colaboradores.

“Até o momento não prestaram nenhum tipo de assistência em questão do coronavírus atualmente, não prestaram nenhum tipo de auxílio. Eles não fornecem pra gente máscara, nem álcool e não fizeram nenhum tipo de alteração no coletivo para que a gente pudesse se sentir protegido”, reclama o líder do movimento.

O G1 entrou em contato com a prefeitura e a empresa Floresta, mas não obteve retorno até esta publicação. As empresas de transporte coletivo sofrem impactos econômicos desde a chegada dos aplicativos de mobilidade em Rio Branco em 2017.

Motoristas decidiram cruzar os braços para reivindicar pagamento de salários atrasados — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre.

Colaborou Lidson Almeida, da Rede Amazônica Acre.

Continue lendo

ACRE

Agentes penitenciários ameaçam entrar em greve nos próximos dias

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os agentes penitenciários já estão com datas marcadas para realizar duas assembleias gerais para decidir se irão entrar em greve ou não.

Já são meses e mais meses de negociações e até agora nenhum acordo foi firmado. Os agentes, assim como outras categorias tentam, junto ao governo, a garantia de direitos conquistados que, segundo eles, não estão sendo respeitados.

O quadro de efetivos de agentes penitenciários em todo o estado é de 1.170 profissionais. Somando com os provisórios, chega a 1.309. Um número muito menor do que o necessário para que eles realizassem, em segurança, os serviços dentro das unidades prisionais.

Desse efetivo, cerca de 800 agentes atuam no complexo penitenciário Francisco de Oliveira Conde, onde cumprem pena aproximadamente quatro mil reeducandos, o que representa uma proporção bastante desfavorável para esses profissionais.

Mas esse não é único descontentamento da categoria. Na lista de reivindicações, pagamento retroativo de promoções, de titulações, de verbas rescisórias e de prêmios. “O efetivo é muito baixo, não tem a menor previsão para concurso público, o governo não deu nada ainda, sem contar o salário, décimo quarto, promoção, titulação tudo em atraso”, comentou o presidente da associação dos agentes penitenciários, Eder Azevedo.

A categoria está organizada e já realizou, em maio deste ano, uma manifestação. Os agentes chegaram, na época, a ser recebidos pelo governador que prometeu estudar as reivindicações e dar um retorno. O problema é que, desde então, nenhum pronunciamento oficial foi feito.

“O governo não conseguiu honrar tudo aquilo que havia tido como programação com as entidades sindicais, principalmente com a associação também que tem feito um trabalho conosco e hoje a categoria se encontra completamente descontente, sem motivação até para seguir no dia a dia com seu trabalho e nós vamos ter que realmente fazer algumas estratégias de pressão para chamar o governo do estado para fazer um diálogo bem sério e averiguar como que vai ficar as rodas de conversas a partir de agora para conseguirmos criar as programações e esses calendários que têm que ser colocados à disposição dos servidores do IAPEN”, concluiu o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Beto Calixto.

Com informações da Agazeta.net

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco