NOSSAS REDES

ACRE

Familiares de presos em greve de fome fecham ruas de acesso ao Centro de Rio Branco em protesto

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Avenida Ceará, Marechal Deodoro, Rui Barbosa, entre outras, estão interditas desde a manhã desta terça (15). Iapen-AC disse que está em diálogo com os familiares e deve receber uma comissão para conversar.

Foto: Ruas que dão acesso ao Centro da capital acreana estão fechadas devido ato (Foto: Aline Vieira/Rede Amazônica Acre).

Familiares dos detentos que estão em greve de fome fecharam as ruas que dão acesso ao Centro de Rio Branco em protesto, na manhã desta terça-feira (15). Equipe da Superintendência de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) estão no local para tentar desviar os veículos para outras vias.

Os parentes exigem a presença de representantes do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) e da Vara de Execuções Penais. Avenida Ceará, Marechal Deodoro, Rua Rui Barbosa estão interditadas.

O Iapen-AC disse que em diálogo com os manifestantes e deve receber uma comissão de representantes. Porém, não vai recuar por pressão nas medidas que visam a segurança das unidades.

A greve de fome dos detentos de seis presídios do Acre já dura 48h. O Iapen-AC informou que o movimento busca regalias e que o sistema penitenciário avalia as reivindicações, mas deve ceder apenas nos casos em que o pedido esteja previso em lei.

O movimento dos presos foi deflagrado nas unidades Francisco d’Oliveira Conde, presídio de segurança máxima Antônio Amaro e Unidade Feminina, em Rio Branco. No interior, os detentos também aderiram ao protesto no Presídio Evaristo de Moraes, em Sena Madureira, Moacir Prado, em Tarauacá e Manoel Néri, em Cruzeiro do Sul.

“Não estamos aqui em busca de sexo, como estão postando nas redes sociais, estamos atrás dos direitos que são da gente como visitantes deles. Quando falamos que vamos para o presídio já saímos de casa ciente que vai para o inferno. Tem agente que trata a gente direito, mas muitos oprimem as visitas. Agora inventaram também, além do raio-x, de cutucar a comida. O raio-x não está lá para isso? Não precisa disso”, reclamou Shirlei Lopes.

Entre as reivindicações está ainda a instalação de um bebedouro para as visitantes. Segundo Shirley, os familiares chegam a ficar de três horas na fila sem tomar água. “Penal virou uma verdadeira bagunça. Precisam entender que o preso é do Estado não é de agente e de diretor. Os agentes estão lá fazendo o trabalho deles, não estão fazendo nenhum favor para nós e não é assim”, reclamou.

Marcilene Souza também está no ato com as demais parentes. Ela alega que o presídio não oferece estrutura para receber as visitas, e afirmou que a comida entregue para os detentos chegam estragada no presídio.

“Ficamos em um pátio escolar, na chuva, no sol, as comidas ficam jogadas e só têm duas mesas. Queremos pegar visita na cela. As comidas estão indo estragadas para eles, a água que fornecem lá está adoecendo os presos. Todos os presos, a maioria, está doente com tuberculose, não tem saúde, a família que tem que levar o medicamento para eles. Não tem dentista. Não temos reivindicando visita íntima, só queremos os direitos dos esposos que estão lá. Já está passando por limite”, acrescentou.

Frota de ônibus está parada devido protesto de familiares (Foto: Aline Vieira/Rede Amazônica Acre)

Frota de ônibus está parada devido protesto de familiares (Foto: Aline Vieira/Rede Amazônica Acre)

O superitendente da RBTrans, Gabriel Forneck, contou que toda frota de ônibus está parada devido o ato. Os manifestantes fecharam as principais ruas que dão acesso ao Centro do município. As equipes tentam buscar soluções para que a frota volte a funcionar parcialmente.

“A orientação é não vim para o Centro nesse momento. A gente está tentanto redimensionar como vamos fazer a distribuição das linhas de ônibus. Todas as linhas estão prejudicadas no momento porque não conseguimos fazer os desvios corretos. Está chegando mais reforços para a gente fazer o desvio pelo Bosque, Aviário e Segundo Distrito fazer o retorno dos ônibus”, argumentou. G1Ac.

Presos do Acre continuam em greve de fome e alimentos são doados a casas de recuperação

Greve de fome foi iniciada na segunda-feira (13) em seis presídios do estado. Eles reivindicam melhores condições nos presídios e mudanças nas regras de visitas.

Com a greve de fome dos presos de seis unidades prisionais do estado desde segunda-feira (13), os alimentos estão sendo doados para centros de recuperação e comunidades carentes. Os detentos reivindicam melhores condições nos presídios e mudanças nas regras de visitas.

Conforme o diretor do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), Aberson Carvalho, os detentos continuam com a greve de fome nesta quarta-feira (15).

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Acre (Sindapen) informou que os presos estão se negando a comer as três refeições que são oferecidas diariamente pelas direções dos presídios, que são o café, almoço e janta.

Somente na capital acreana, Rio Branco, estão sendo doados cerca de 3,5 mil itens de cada refeição, que incluem pães, café e leite pela manhã e marmitas durante o almoço e jantar.

Conforme o sindicato, os alimentos foram doados à “Casa de Recuperação Reconstruindo Vidas para o Reino de Deus” e à “Associação Beneficente Caminhos de Luz”, que oferecem tratamento a dependentes químicos. Além de serem entregues em comunidades carentes próximas aos centros de recuperação.

Carvalho afirmou que o movimento busca regalias e que o sistema penitenciário avalia as reivindicações, mas deve ceder apenas nos casos em que o pedido esteja previso em lei.

A greve de fome foi deflagrada nas unidades Francisco d’Oliveira Conde, presídio de segurança máxima Antônio Amaro e Unidade Feminina, em Rio Branco.

No interior, os detentos também aderiram ao protesto no Presídio Evaristo de Moraes, em Sena Madureira, Moacir Prado, em Tarauacá e Manoel Néri, em Cruzeiro do Sul. G1Ac.

Alimentos foram doados para centros de recuperação e comunidades carentes (Foto: Divulgação/Sindapen)

Greve de fome foi iniciada na segunda-feira (13) por detentos de seis presídios do estado (Foto: Divulgação/Sindapen)

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco