NOSSAS REDES

GOVERNO GLADSON CAMELI

Família denuncia falta de medicamentos para tratamento de câncer em hospital no Acre

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Parentes de idoso, que faz quimioterapia há três meses, tiveram que pagar R$ 1,2 mil por duas doses de remédio. Saúde diz que solicitou os remédios e aguarda entrega.

Foto de capa: Paciente faz tratamento no Hospital do Câncer, que fica na Fundhacre em Rio Branco — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre.

A família de um paciente do Hospital do Câncer do Acre afirma ter gastado até R$ 1,2 mil em duas doses de um medicamento que deveria ser oferecido na rede pública. Com câncer na próstata, Isaque Guimarães, de 69 anos, iniciou a quimioterapia há três meses e, desde então, a família paga pelo remédio docetaxel.

Além dessa medicação, Atalibas Aragão Guimarães, filho do idoso, disse que a rede pública parou de oferecer também o medicamento zometa, outro usado no tratamento.

“Ele tomava uma dose desse [zometa] todo mês, só que neste último mês não tinha mais, não tomou. Não procuramos na rede particular, mas deve custar uns R$ 2 mil. Pagamos R$ 1,2 mil em duas doses do docetaxel. Desde que começou tomou apenas uma dose pelo SUS”, acrescentou.

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) informou que já solicitou os remédios ao fornecedor, que deu um prazo até dia 20 de dezembro. Como não chegou o remédio, a Sesacre cobrou a entrega e o fornecedor deu um novo prazo, até dia 31 deste mês para entregar.

“A secretaria pediu vários remédios recentemente. Temos outros remédios faltando, mas como falei foi feita uma solicitação e estão chegando. Não chegaram todos porque nossa logística é muito difícil, mas foi feita a solicitação para toda rede de medicação”, complementou a secretária-adjunta de Assistência à Saúde, Paula Mariano.

Tratamento

Ainda segundo a família, há cerca de três meses que a unidade não oferece o remédio. Para continuar o tratamento do idoso, os parentes procuraram a rede particular, mas também está em falta.

“Na rede particular, disseram que ia chegar dia 26, mas não chegou, e a nova previsão é de chegar dia 6 de janeiro. A questão é que mesmo assim vamos ter que pagar”, criticou a nora do idoso, Mônica Souza.

Com quimioterapia marcada para esta segunda-feira (30), a parente revelou que a família tentou, inclusive, comprar um dos remédios no Rio de Janeiro, porém, não foi possível.

“Começou a fazer quimioterapia recentemente porque na próstata existe outras tentativas antes de entrar na quimio. Existe tratamento com hormonoterapia, só que não deu resultado e, na época, tivemos que pagar algumas coisas. Agora, os médicos optaram pela quimio”, lamentou.

Neste domingo (29), o idoso passou mal e foi levado para o hospital. Ele deve ficar internado para tratamento.

“Entramos em contato porque passou mal, teve uma reação, está com dor na perna e não consegue andar. A quimio estava marcada para amanhã [segunda, 30], mas não tem remédio”, concluiu. Por Aline Nascimento, G1 AC.

ACRE

Conselheira de 65 anos não deve assumir vaga de colega que morreu de Covid-19 no AC, recomenda MP

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Documento destaca que Maria de Jesus já atingiu idade máxima exigida para assumir cargo.

CAPA: TCE-AC encaminhou apenas um nome para indicação do governador — Foto: Reprodução/Google Street View.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) encaminhou duas recomendações para a Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) e para o Tribunal de Contas Estadual (TCE-AC) para que seja rejeitada a nomeação da conselheira Maria de Jesus Carvalho de Souza.

Segundo o MP-AC, a conselheira não pode assumir a vaga do colega José Augusto Araújo de Faria, de 71 anos, que morreu de Covid-19 no dia 12 de julho, por já ter atingido a idade máxima exigida para assumir o cargo, que é 65 anos.

A Constituição do Estado do Acre prevê que o conselheiro precisa tem mais de 35 anos e menos de 65 para assumir o cargo. Com 65 anos completos, segundo o MP-AC, Maria de Jesus não pode ocupar a vaga.

O órgão estadual deu prazo de dez dias para que a Aleac e o Governo do Acre se posicionem sobre a situação. Em caso de descumprimento, o MP-AC garante que vai tomar medidas judiciais para apurar a responsabilidade tanto nas esferas cível, administrativa e penal.

Ao G1, a assessoria de comunicação da Aleac informou que ainda não tem comissão formada para analisar. A discussão e formação da comissão deve ser feita na terça-feira (11).

Continue lendo

CORONAVÍRUS

Estado e Prefeitura de Tarauacá assinam termo de cooperação para enfrentamento da Covid-19

Agência de Notícias GOV/AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O termo de cooperação assinado pelo Governo do Estado, por meio Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) e pela Prefeitura de Tarauacá, na manhã desta segunda-feira, 13, tem como propósito a colaboração do município, no sentido de fornecer materiais, equipamentos e profissionais para o Hospital Dr. Sansão Gomes no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Termo de cooperação oficializa parceria entre prefeitura e Saúde do Estado para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Foto: Junior Aguiar.

“Agradeço à prefeita Marilete Vitorino pela preocupação em somar esforços no combate à pandemia. Sem dúvida o momento é de união entre todos para que a população acreana seja bem atendida”, destacou o secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene.

No mesmo encontro, foi discutido sobre os novos testes rápidos que serão disponibilizados pelo Estado aos municípios. Marilete Vitorino também reforçou a importância das parcerias: “A gente sempre entendeu que Estado e Município tinham que estar juntos. Então, dentro das nossas possibilidades, cedemos ao hospital materiais que possam ajudar o trabalho dos profissionais de saúde”.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco