NOSSAS REDES

ACRE

Falta de médicos pode causar colapso na saúde e dezenas de mortes no Acre

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O Hospital Geral de Feijó (HGF) e a Maternidade de Feijó podem entrar em colapso, resultando em mortes de pacientes. O motivo é a falta de médicos para atender as duas unidades em pleno estado de emergência decretado pela prefeitura de Feijó em virtude de uma epidemia de dengue.

A possibilidade de mais óbitos por falta de profissionais também ameaça o funcionamento do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) e Maternidade Bárbara Heliodora (MBH), Hospital da Criança e a Maternidade de Cruzeiro do Sul.

Em Feijó, as unidades de saúde podem ter que dividir a atenção de apenas um médico de plantão que será obrigado a correr do Pronto Socorro (PS) ou do setor de internação do HFG para a maternidade, sendo forçado a escolher quais pessoas que precisam de atendimento, podendo agravar o estado de saúde de outros cidadãos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“A situação é gravíssima e pode resultar em interdição ética, porque um médico sozinho não pode ser responsável por um parto. No PS, o médico também precisa do apoio de um anestesista. Se ele passar mal, não há quem assuma a cirurgia ou o parto por falta de um médico assistente. É um verdadeiro caos porque os gestores da Secretaria de Saúde viraram as costas para as necessidades de planejamento, manutenção de contratos e a realização de novas contratações”, protestou o presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), Ribamar Costa.

Em Rio Branco, as demissões ameaçam o atendimento das grávidas que precisarão esperar que um único médico de plantão possa atender a todos os casos. Se uma criança nascer de forma prematura ou necessitar de apoio de pediatras, apenas um médico deverá escolher qual bebê deverá receber atendimento. A situação poderá ficar ainda mais grave, porque existem 14 leitos na UTI neonatal e quase sempre estão lotadas.

O Huerb, local em que também existem constantes denúncias por falta de médicos, poderá contar com poucos profissionais, chegando a existir apenas dois anestesistas nos finais de semana, quando a procura por atendimento é redobrada, podendo resultar em mortes. Atualmente, existe uma superlotação da área crítica, em que pacientes estão sendo obrigados a esperar cerca de dez horas por atendimento. Essa espera deveria ocorrer em macas, mas a falta delas obrigam os servidores a colocar as pessoas em cadeiras de plástico e os acompanhantes forçados a ficar segurando o soro por falta de suporte. Das 30 vagas no setor, na quinta-feira (1º), existiam 47 pacientes, além dos acompanhantes, tornando o ambiente propício para a circulação de bactérias e vírus.

“A situação é desesperadora, porque seriam necessários quatro anestesistas no Huerb, além de obstetras e pediatras na MBH, mas a Sesacre vem tratando o caso com ironia ao chamar de ‘Fake News’ os problemas denunciados pelo Sindmed e pela população. Esses gestores deveriam ser processados”, protestou o sindicalista.

No Huerb, os carrinhos de anestesias são da década de 1980, não possuem regulação para o exato peso e idade dos pacientes, prejudicando a operação em crianças e adultos obesos. Ainda há o relato da falta de anestésicos e agulhas para a realização das cirurgias.

Cruzeiro do Sul afetado

A falta de médicos na Maternidade de Cruzeiro do Sul obriga a MBH a fornecer profissionais, mas a falta de especialistas em Rio Branco poderá causar um buraco na escala ainda maior na unidade que fica na segunda maior cidade do Acre.

“Todos os casos estão sendo registrados. Estamos realizando visitas, registrando todos os problemas e encaminhando os casos para o Ministério Público Estadual e para o Conselho Regional de Medicina”, finalizou Ribamar Costa.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco