NOSSAS REDES

ACRE

“Discórdia” entre delegados pode por fim à Secretaria da Polícia Civil, diz Gladson Cameli

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O governador Gladson Cameli confirmou que tem interesse em retirar o status de secretaria da Polícia Civil do Acre, passando a instituição a ser apenas um Departamento da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira, dia 1º.

O boato de que a secretaria viraria apenas um departamento do setor de Segurança não agradou a classe, que procurou os deputados estaduais na manhã desta segunda. De lá, saíram para a Casa Civil, onde pretendem conversar com o governador acreano. Cameli se disse aberto ao diálogo.

“Vou debater. Agora, o que eu quero que eles me provem é que vão trabalhar unidos. O que eu não vou admitir, o que eu não vou aceitar é que essa situação continue. Estou pronto a ouvir e para volta atrás, sem nenhum problema”, pontuou Gladson Cameli.

Ainda segundo o governador, o secretário da pasta, Rêmulo Diniz, tem tido dificuldade para trabalhar. “Eu não posso ter um secretário que tem problemas com a equipe por problemas internos. Agora, se permanecerem com essa discórdia, nós vamos, sim, acabar com essa secretaria de Polícia Civil”, ameaçou o governador.

Cameli deve enviar a proposta de minirreforma administrativa à Assembleia Legislativa na próxima semana. O governador já teria solicitado à Procuradoria-Geral do Estado a preparação da proposta legislativa de alteração da legislação atual sobre a instituição.

No domingo, dia 31, o secretário Rêmulo Diniz retrucou a informação, alertando que isso seria apenas um boato, e que o governo não faria isso porque estaria caminhando contra a Polícia Nacional de Segurança Pública desenvolvida em território nacional.

Extinção da SEPC pode causar intervenção política

Os delegados de Polícia Civil do Acre reagiram mal à decisão do governador Gladson Cameli de por fim à secretaria. Em nota, a Associação dos Delegados (Adepol) alertou que o ato do governante pode causar problemas maiores, incluindo a “ingerência política” nas ações policiais.

“Qualquer ato atentatório à autonomia e imparcialidade da Polícia Civil é um enorme retrocesso, e a possibilidade de extinção da SEPC vai na contramão de todos os movimentos nacionais de combate a corrupção e independência das Polícias Judiciárias., já adotados em vários Estados, que se inspiraram no modelo acreano”, escreveu a associação, em nota.

Os delegados destacaram que “as dificuldades enfrentadas na Segurança Pública, que vem sofrendo com o descaso governamental há anos, não se resolvem diminuindo a autonomia administrativa da Polícia Civil, ou subordinando-a a uma Secretaria política”, e destacou a importância do diálogo com o Palácio Rio Branco.

Sobre o assunto, o governador Gladson Cameli se disse aberto a conversar, mas que as “discórdias” dentro da instituição estão causando o problema. “Vou debater. Agora, o que eu quero que eles me provem é que vão trabalhar unidos. O que eu não vou admitir, o que eu não vou aceitar é que essa situação continue. Estou pronto a ouvir e para volta atrás, sem nenhum problema”, pontuou Gladson Cameli.

Ainda segundo o governador, o secretário da pasta, Rêmulo Diniz, tem tido dificuldade para trabalhar. “Eu não posso ter um secretário que tem problemas com a equipe por problemas internos. Agora, se permanecerem com essa discórdia, nós vamos, sim, acabar com essa secretaria de Polícia Civil”, ameaçou o governador.

Cameli deve enviar a proposta de minirreforma administrativa à Assembleia Legislativa na próxima semana. O governador já teria solicitado à Procuradoria-Geral do Estado a preparação da proposta legislativa de alteração da legislação atual sobre a instituição.

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco