NOSSAS REDES

ACRE

Descoberta de novos geoglifos pode reescrever a história da Amazônia

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Novos geoglifos descobertos no estado do Acre reforçam a ideia de que havia uma numerosa população milenar e hierarquizada na Amazônia 2.500 anos antes da chegada dos europeus. Dados podem “reescrever” a história da região.

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil.

“A Amazônia era estudada como tendo um passado inóspito, uma região com pouca população e essas estruturas arqueológicas que vemos aqui demonstram o contrário”, disse à EFE Ivandra Rampanelli, arqueóloga com mestrado e doutorado em pré-história e responsável pela mais recente descoberta de geoglifos no Acre.

Para a cientista, as escavações indicam que “poderia ter sido uma população densa, grande, organizada e hierarquizada e isso reescreve a história da Amazônia como um todo, está mudando o que antes era visto como um território vazio”.

Os geoglifos são figuras construídas em encostas ou planícies, utilizando a técnica de adição de terra ou pedras, com tonalidades escuras de origem vulcânica de forma a criar um mosaico.

Os pesquisadores descobriram nos últimos anos um total de 523 geoglifos no estado do Acre, no Brasil, que faz fronteira com a Bolívia e o Peru, país onde se localiza os famosos geoglifos de Nazca.

Segundo Ivandra Rampanelli, a responsável pelas escavações mais recentes, os novos “desenhos na terra” descobertos na planície de Acre estão associados a rituais dos povos indígenas que habitavam a região antes da chegada dos europeus.

squicker / Flickr

Com mais de 2 mil anos de antiguidade, as linhas de Nazca, no Peru, são Patrimônio UNESCO desde 1994

As primeiras descobertas datam de 1977, segundo a especialista, quando pesquisadores locais encontraram oito áreas arqueológicas.

Apesar de um trabalho contínuo posterior, foi somente a partir de 2005 que um estudo sistemático dos locais avançou, isto com a ajuda de ferramentas diferenciadas, como satélites.

A mais recente descoberta na Amazônia ocorreu em outubro do ano passado, em uma pesquisa coordenada por Ivandra Ramapanelli, do Instituto do Patrimônio Histórico do Acre, e com a participação dos espanhóis Agustin Diaz Castillo, da Universidade de Valência.

Em julho, os primeiros resultados da descoberta começaram a ser relatados. Para Rampanelli, por estarem no meio da vegetação, os geoglifos são melhor preservados “do que aqueles em áreas privadas e que hoje servem de pasto para o gado”.

“Nas escavações futuras, poderemos encontrar material que permanece bem preservado e estudos de inventário botânico, inventário florestal, estudos do solo, porque estão melhor preservados do que outras áreas abertas (…)”, acrescentou.

Os dois novos geoglifos estão localizados na região de selva da reserva Chico Mendes, sendo que um deles é um círculo de noventa metros de diâmetro e cerca de quatro metros de profundidade.

A região amazônica do Brasil e da Bolívia tem mais de 800 geoglifos, dos quais 523 estão no Acre, um dos estados mais pobres do Brasil.

Recentemente, uma expedição arqueológica britânica descobriu 81 aldeias no estado de Mato Grosso, com vestígios de cerâmica e ferramentas de povos antigos. Ciberia, Lusa // ZAP

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco