NOSSAS REDES

ELEIÇÕES 2018

Coronel Ulysses apresenta propostas para a melhoria dos serviços públicos

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Conhecido por ser da área da Segurança Pública, o candidato a governador, Coronel Ulysses Araújo, apresentou na segunda entrevista, após o início da campanha eleitoral, propostas para a Economia, para a Saúde e para a Educação, mostrando que está preparado para administrar o Estado. Ele afirmou que existem recursos para melhorar os serviços, sendo necessário apenas a realização de cortes em gastos considerados desnecessários.

O candidato de Bolsonaro no Acre propôs contratar os aprovados nos concursos da Polícia Militar e da Polícia Civil, além de realizar novos concursos para diversas áreas. O dinheiro viria no corte de 50% do total atual de cargos comissionados e ainda de cortes de regalias do primeiro escalão do governo, como coquetéis para festas, carros alugados e diárias de secretários.

“Esse recurso que deverá sobrar será utilizado para investir mais nas áreas de Saúde, da Educação e da Segurança. Queremos oferecer a oportunidade dos professores provisórios deixarem de ter que renovar seus contratos todos os anos para que possam ter um contrato fixo. O mesmo deve ocorrer com os servidores da saúde e que estão sofrendo com o fantasma da demissão”, explicou o candidato.

Para Coronel Ulysses, o setor da economia crescerá apenas com o incentivo da agropecuária, com a melhoria dos ramais para o escoamento de produção, fomentando a agricultura familiar e a agricultura em larga escala.

“Para que a indústria possa se instalar no Acre, é preciso investir na agropecuária, garantindo os insumos necessários. Nós temos a possibilidade de oferecer produtos para serem manufaturados, além de produzir em larga escala, melhorando o emprego e a renda do homem do campo e da cidade”, finalizou o candidato a governador. Assessoria.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

DEPUTADO JOSA DA FARMÁCIA TEM MANDATO CASSADO POR COMPRA DE VOTOS

Folha do Acre, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O deputado estadual pelo Podemos do Acre, Josa da Farmácia, teve o seu mandato cassado por decisão da Justiça Eleitoral. Josa foi reeleito na última eleição com 6.412 votos.

O Tribunal Regional Eleitoral decidiu cassar o mandato do deputado por 4 votos a 2 dos desenbargadores.

Josa da Farmácia é acusado de comprar de votos na eleição de 2018.

Apesar de votarem pela cassação, o TRE do Acre decidiu que não irá fastar o deputado imediatamente, dando assim, prazo para que Josa se defenda das acusações ainda no cargo de deputado.

Continue lendo

ELEIÇÕES 2018

Trabalho de Moro me ajudou a crescer politicamente, diz Bolsonaro

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Indicação de juiz é criticada por petistas, que veem politização da Justiça.

Em entrevista a alguns veículos de imprensa, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) elogiou o trabalho de Sergio Moro como juiz ao falar de sua nomeação como Ministro da Justiça.

“O trabalho dele muito bem feito. Em função do combate à corrupção, da Operação Lava Jato, as questões do mensalão, entre outros, me ajudou a crescer politicamente falando”, disse Bolsonaro.

Moro foi quem assinou a ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e decisões causaram polêmica como a divulgação da conversa do petista com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da delação de Antonio Palocci pouco antes da eleição.

“Se eles estão reclamando, é porque fiz a coisa certa”, disse o presidente eleito.

Segundo ele, o economista Paulo Guedes, que assumirá a Fazenda, foi quem fez a ponte com Moro. Bolsonaro afirmou desconhecer em qual momento a sondagem teria sido feita.

“Mas isso daí não tem nada a ver. Se foi umas semanas, um dia antes da eleição, não tem nada  a ver”, disse.

Segundo seu vice, Hamilton Mourão, o convite ocorreu ainda durante a campanha, o que suscitou críticas, por sugerir que a atuação do magistrado tenha sido pautada pela disputa eleitoral.

“Ah, não sei, não sei. Tenho pouco contato com o Mourão, estou aprofundando o contato agora com ele”, respondeu o presidente eleito.

Bolsonaro afirmou ter concordado em dar autonomia a Moro para nomear e conduzir as atividades da pasta. Ele não detalhou como ocorrerá a ampliação do Ministério da Justiça em seu governo. Confirmou a incorporação da pasta de Segurança Pública.

“Uma parte do Coaf [estará] lá também, porque ele [Moro] tem que ter informações. A CGU não iria para lá dessa forma aqui, carece de estudo. Temos que ver se não estamos incorrendo em nenhuma inconstitucionalidade”, disse. 

“Mas parcelas desses órgãos a gente vai ter dentro da Justica para que possa trabalhar com velocidade que essa questão merece.”

Para o presidente eleito, a violência cresce “via crime organizado” e “o caminho para combater isso é seguir o dinheiro e você tem que ter meios para tal. O Ministério da Justiça daria todos os meios para Sergio Moro perseguir esse objetivo”.

Bolsonaro afirmou que não acertou um prazo de trabalho para o juiz no governo ou para vir a indicá-lo ao Supremo Tribunal Federal. 

“Não ficou combinado, mas o coração meu lá na frente… ele tendo um bom sucessor, isso está aberto para ele”, disse.

“A decisão dele é difícil, vai abrir mão da carreira, tem 22 anos de serviço, para enfrentar um desafio. Chamo ele de soldado, que está indo para a guerra sem medo de morrer. Vai ter muito mais poderes do que estando à frente da Vara da Justiça Federal em Curitiba

Bolsonaro disse que se um membro de seu governo for investigado ou denunciado, “vai pro pau, pô. Não tem essa história, não. Quem for por ventura denunciado, vai responder”.

​O presidente eleito foi questionado sobre a sua relação com a imprensa e o motivo de ter dado a entrevista apenas para emissoras de televisão, sem incluir jornais.

“A imprensa está muito diversificada, eu cheguei aqui graças às mídias sociais. Quem vai fazer a seleção de qual imprensa vai sobreviver ou não é a própria população”, respondeu. “A imprensa que não entrega a verdade vai ficar para trás.”

Segundo ele, a exclusão de veículos se deu por conta de “espaço físico, não mandei restringir ninguém, não”.

Folha SP

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco