NOSSAS REDES

ACRE

Com articulação do Estado, poderes cedem policiais para combate à criminalidade

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira, 26, o governador Tião Viana, junto com membros do Tribunal de Justiça (TJAC) e do Ministério Público do Acre (MPAC), anunciou que cerca de 50 policiais militares que compõem os quadros de segurança das instituições públicas, além de parte do efetivo que está na Força Nacional, serão devolvidos à Polícia Militar e atuarão direto nas ruas no combate à criminalidade.

Além dos demais poderes, o governo abre mão de parte do efetivo de segurança do Gabinete Militar, disponibilizando 20 policiais, e também convoca militares que estavam na prefeitura de Rio Branco. A articulação entre os demais poderes busca a soma de esforços junto às polícias na luta pela paz e o fortalecimento de um sentimento de mais segurança em todo o Acre.

Nós nos unimos e eles estão cedendo, dos seus efetivos policiais, uma contribuição ostensiva contra a violência. É um sacrifício, porque eles têm responsabilidades com o patrimônio, a integridade dos seus membros e nas ações de apoio às operações que são realizadas. E aqui eu expresso um agradecimento do nosso governo”, disse o governador Tião Viana.

Reforço operacional
Os cerca de 50 policiais militares cedidos farão parte do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Companhia Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (Raio) da Polícia Militar do Acre (PMAC).

Durante a coletiva, Tião Viana ainda destacou o fortalecimento da PMAC, com a entrega no mesmo dia de R$ 2 milhões em equipamentos, como 164 novos fuzis, em parceria com o Ministério da Justiça, e uma redução de 59% no número de homicídios nos últimos 15 dias, após o reforço das operações ostensivas nas ruas da capital.

Segundo o comandante-geral da PMAC, coronel Marcos Kinpara, com a vinda desses policiais para ações em ruas, a tendência dos resultados é melhorar: “Esses policiais que vêm vão direto para o combate ao crime face a face. Então agradeço de coração a essa demonstração de apoio. Com certeza esses policiais farão a diferença no combate a violência”.

Unidos contra o crime
O Estado tem conseguido unir todas as instituições públicas do Acre no combate à criminalidade. O MPAC tem atuado em parceria com a Polícia Civil, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), além de ter elaborado recentemente um estudo que aponta o crescimento da violência no Acre com a fragilidade das fronteiras sem fiscalização federal.

Trazemos hoje o sentimento de união, no sentido de que juntos podemos com certeza minimizar os ataques das corporações ilegais que existem no Acre. Estamos abrindo mão de um quadro de segurança institucional nosso, mas entendemos que esse esforço é para o bem do nosso estado e nossa comunidade”, destacou o promotor Adenilson de Souza, que representou o MPAC na coletiva.

O TJ-AC tem tido o mesmo comprometimento e sensibilidade no enfrentamento à criminalidade, além de um trabalho integrado aos demais integrantes do Sistema de Justiça Criminal para evitar a impunidade.

A violência não é só no Acre, mas uma preocupação Brasil afora e é preciso sim que as instituições se unam em torno desse objetivo em comum que é a segurança. Por isso vamos ceder parte do nosso efetivo para auxiliar nesse combate à violência”, completa o desembargador Francisco Djalma. Lilia Camargo

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco