NOSSAS REDES

CRISE

Cidade com indígenas pró-Evo em área opositora vira campo de batalha

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em enterro de jovem de 20 anos, indígenas gritam palavras de ordem e dizem sofrer humilhação.

Flávia Mantovani e Bruno Santos
MONTERO (BOLÍVIA)

Senhores jornalistas de outro país. Nos ajudem a denunciar ao mundo inteiro que aqui na Bolívia a polícia e os militares estão matando as pessoas indígenas. Queremos justiça.”

O bilhete, à mão, foi entregue por uma vendedora ambulante à reportagem da Folha na cidade de Montero, região de Santa Cruz, na Bolívia.

Localizado a 55 quilômetros de Santa Cruz de La Sierra, reduto da oposição a Evo Morales, o município tem muitos apoiadores do ex-presidente e foi cenário de três mortes desde a contestada eleição presidencial do dia 20. O total de vítimas subiu para 15 com os violentos conflitos de sexta-feira em Cochabamba, que deixaram ao menos 20 feridos.

A Folha acompanhou o funeral de Roberth Ariel Calizaya, 20, morto na quarta-feira (13) com um tiro no peito. Segundo a mãe dele, o jovem, que era de outra cidade, estava em Montero visitando os tios e saiu para ir ao banco no momento em que havia uma concentração de apoiadores de Evo. Ela afirma que ele não era envolvido com política. “Nem votou na última eleição.”

O velório, porém, foi organizado por apoiadores do MAS (Movimento ao Socialismo, partido de Evo). Muitos eram vendedores do mercado da cidade e ressaltavam que não são militantes, “apenas camponeses, trabalhadores”. O caixão ficou debaixo de uma tenda, com velas, fotos e flores. No dia anterior havia circulado pelas ruas. Na entrada, havia faixas com dizeres como “Jeanine Añez [autodeclarada presidente] assassina” e garotos mascando folha de coca guardando o acesso.

Havia centenas de pessoas, e a Folha foi rodeada por várias delas, que reclamavam de como ficou sua situação após a renúncia de Evo. “Estão nos matando como animais”, “estão nos humilhando e discriminando”, diziam. Vários se queixavam de que a imprensa local não lhes dá ouvidos —jornalistas da cidade, por sua vez, afirmam que são hostilizados por eles quando tentam fazer as coberturas.

Por volta das 11h, um cortejo percorreu a pé os 3 quilômetros até o cemitério. Senhoras com tranças, saia e chapéu, vendedores de suco de tamarindo e sacolés e muitos homens em moto acompanhavam o caixão. Uma multidão subiu em lápides para ver o enterro, enquanto uma banda tocava o hino da Bolívia.

Um homem fez um discurso condenando os “traidores da pátria”, enquanto parentes choravam e pessoas gritavam “Justiça!” ou “Que volte Evo!”.

“Me senti sem pai nem mãe quando ele renunciou”, diz a vendedora Sofia Cruz, 51, que afirma ter conhecido Evo criança no Chapare, região cocaleira que é considerada o berço político do ex-presidente.

Cidade com cerca de 150 mil habitantes, Montero recebeu, entre 30 e 50 anos atrás, muitos migrantes do oeste do país, onde vivem povos indígenas e Evo tinha muito apoio. Existe também um Comitê Cívico atuante, formado por entidades empresariais, profissionais e de vizinhos.

Há muita tensão entre os dois grupos, e no dia 30 de outubro eles protagonizaram uma batalha de várias horas que resultou em dois mortos e dezenas de feridos. A região vivia uma greve geral para pressionar Evo a renunciar após denúncias de fraude nas eleições. Voluntários faziam bloqueios nas ruas e estradas.

Segundo a polícia, as mortes ocorreram na entrada de Guadalupe Cofadena, assentamento com cerca de 800 casas que a Folha visitou. Na entrada, havia guardas e restos de barricada. Em seguida, um centro comunitário pintado com o rosto de Evo Morales e o nome de seu partido onde um grupo cantava músicas religiosas.

Os moradores mostraram casas que, segundo eles, foram queimadas pelos “cívicos” —a quem uma delas chama de “inimigos”. “Era como uma guerra. Um monte de vândalos encapuzados chegaram em caminhonetes”, afirma. “Nos defendemos como conseguimos. As crianças estão traumatizadas.”

As versões para o acontecido variam, mas todas começam com o descontentamento do bairro com a greve. Segundo Máximo Flores, que se apresenta como presidente do lugar, houve protestos pacíficos contra os bloqueios. “Nós só queríamos chegar ao trabalho”, diz ele.

Já a polícia e o Comitê Cívico dizem que, no dia seguinte, eles voltaram armados com espingardas e explosivos caseiros e que houve confronto entre os dois grupos —ironicamente, em um lugar chamado Ponte da Amizade.

“Isso explodiu nas redes sociais e o povo ficou com raiva. Eles voltaram a se entrincheirar em seu bairro e foram encurralados. Tentamos apaziguar, mas a situação estava fora de controle”, diz Luis Saeltzig, membro do diretório do Comitê Cívico.

Foi aí que ocorreram as mortes, de acordo com a polícia. As vítimas são Marcelo Terrazas e Mario Salvatierra, que haviam ido defender os bloqueios da greve.

Máximo Flores, por sua vez, afirma que não há ninguém de Cofadena envolvido com a violência. “Acharam que éramos nós e vieram se vingar.”

 

Com a sociedade muito polarizada, vídeos são usados para corroborar ambas as narrativas. A reportagem da Folha recebeu vários deles, enviados pelos dois lados. Um deles mostra o momento em que Roberth foi baleado.

Segundo a polícia, em Cofadena ficou escondido um argentino membro das antigas Farc (Forças Revolucionárias da Colômbia), que se feriu em um enfrentamento e está hospitalizado em estado grave. Os moradores negam que ele estivesse lá.

No mesmo bairro, um jovem diz ter sido atingido por tiros ao tentar socorrer Roberth. Usando muletas, ele mostra o ferimento na coxa e afirma que não foi ao hospital por medo de ser preso.

Morador mostra ferimento durante confronto em Montero, na região de Santa Cruz
Morador mostra ferimento durante confronto em Montero, na região de Santa Cruz – Bruno Santos/Folhapress

Em meio a tudo isso, o prefeito socialista de Montero renunciou na quinta (14) à noite e foi substituído por um político de oposição, eleito pelos legisladores municipais. Alguns dizem que ele foi ameaçado e obrigado a renunciar. Outros, que foram encontradas provas do envolvimento dele com pessoas ligadas às mortes do dia 30.

Para Saeltzig, do Comitê Cívico, dirigentes do MAS estão por trás das marchas de camponeses. “Eles manipulam crianças, mulheres e idosos”, afirma. Em sua opinião, a gestão de Evo era um “narcogoverno” que controlava os mais pobres com “migalhas”. Ele afirma também que o comitê fez muito mais por Montero do que a administração pública. “Somos promotores do desenvolvimento econômico na nossa cidade. Todos têm carinho por nós.”

Os indígenas pró-Evo afirmam não se sentirem representados pelo comitê e defendem o legado do ex-presidente, dizendo que a vida melhorou e que a discriminação contra eles diminuiu nos últimos 13 anos. Alguns dizem acreditar que a fraude denunciada na eleição foi cometida por infiltrados da oposição no Tribunal Superior Eleitoral do país.

Sobrinho de uma das vítimas dos conflitos em Montero (Mario Salvatierra), Silver Heredia, 30, garante que seu tio nunca tinha se mobilizado politicamente antes deste ano e que “só queria que seu voto fosse respeitado” nas eleições. “Ele nunca foi de partido, mas quis participar da greve pacífica”, afirma. “Tinha três filhos, sua mulher é doente. Sua morte nos causa raiva, impotência. É muito doloroso que os bolivianos estejamos nos matando.”

ACRE

Com 3 meses de salários atrasados, motoristas de ônibus fazem protesto e paralisam em Rio Branco

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Ato ocorreu na frente do Terminal Urbano nesta terça-feira (19). Profissionais também alegam falta de EPIs.

Com 3 meses de salários atrasados, motoristas de ônibus fazem protesto e paralisam em Rio Branco — Foto: Ônibus não saíram do Terminal Urbano em Rio Branco nesta terça-feira (19).

Motoristas de ônibus resolveram parar as atividades na manhã desta terça-feira (19) protestando contra o atraso de três meses de salário. De acordo com o líder do movimento, Gleyson Fernandes, motorista da Auto Viação Floresta, a situação está insustentável e muitos profissionais estão passando fome.

A categoria cruzou os braços e se concentrou em frente ao Terminal Urbano, depois seguiu para a frente da prefeitura, no Centro de Rio Branco.

“Nosso pagamento está atrasado desde março abril e maio. Sem contar nosso FGTS e INSS. Queria que a prefeita da cidade desse um olhar especial ao transporte coletivo da cidade de Rio Branco, porque está sendo o caos. Os ônibus estão rodando porque ainda tem alguns motoristas que acham que isso aqui vai funcionar e não vai funcionar do jeito que tá. A situação é realmente precária, estamos passando necessidade, passando fome”, alega.

Além de salários atrasados, os motoristas também tiveram auxílio cortados e convênios suspensos. “Cortaram nossas horas extras por conta do coronavírus. Agora, o salário é só o base da carteira e nem assim ela consegue nos pagar. Então, a empresa está nos mostrando realmente que ela não tem compromisso com os trabalhadores e sociedade de Rio Branco”, se revolta.

O Sindicato dos Transportes do Acre (Sinttpac) confirmou o atraso nos salários e disse que vem tentando negociar com a empresa há meses, mas que recebe a informação que a empresa está sem condições de pagar. Francisco Marinho, presidente do sindicato, diz que alertou a categoria pelo fato de parar 100%, mas não teve sucesso.

“Acontece que eles estão passando por necessidade e querem receber. Não tem mais como controlar”, diz.

Motoristas alegam que não recebem apoio da empresa e nem EPIs — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre.

Sem EPIs

A categoria alega ainda que está trabalhando sem os equipamentos de proteção, inclusive, uma das exigências da prefeita Socorro Neri ao reduzir a frota de ônibus por conta da pandemia.

As empresas deveriam fazer a higienização dos carros e disponibilizar os EPIs aos colaboradores.

“Até o momento não prestaram nenhum tipo de assistência em questão do coronavírus atualmente, não prestaram nenhum tipo de auxílio. Eles não fornecem pra gente máscara, nem álcool e não fizeram nenhum tipo de alteração no coletivo para que a gente pudesse se sentir protegido”, reclama o líder do movimento.

O G1 entrou em contato com a prefeitura e a empresa Floresta, mas não obteve retorno até esta publicação. As empresas de transporte coletivo sofrem impactos econômicos desde a chegada dos aplicativos de mobilidade em Rio Branco em 2017.

Motoristas decidiram cruzar os braços para reivindicar pagamento de salários atrasados — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica Acre.

Colaborou Lidson Almeida, da Rede Amazônica Acre.

Continue lendo

ACRE

No Acre, casos de Covid-19 chegam em 1.335 e estado já registra 40 mortes pela doença

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mais duas mortes foram confirmadas pela Saúde. Dos pacientes, 366 são considerados curados.

Foto: No Acre, casos de Covid-19 chegam em 1.335 e estado já registra 40 mortes pela doença — Foto: Marcos Vicentti.

O Acre registrou 158 novos contaminados pelo coronavírus neste sábado (9), fazendo o número total de casos sair de 1.177 para 1.335. O boletim da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) confirmou ainda mais duas mortes por conta da doença, assim os óbitos saíram de 38 para 40.

As vítimas são um paciente um homem de 72 anos, que estava entre os transferidos do Pronto-Socorro de Rio Branco para a UTI do Instituto de Traumatologia e Ortopedia no Acre (Into-AC) na quinta-feira (7). Ele havia dado entrada no Pronto-Socorro de Rio Branco no dia 2 deste mês e morreu por volta das 10h10 desta sexta-feira (8) no Into. Segundo a Saúde, ele tinha diabetes, o que agrava o quadro de Covid-19.

A outra morte foi de um senhor de 83 anos que morreu na UPA do Segundo Distrito na quinta-feira (7). A Saúde confirmou que ele tinha outras comorbidades, mas não especificou quais.

Das 40 mortes registradas em todo o estado, 35 foram em Rio Branco; três em Plácido de Castro; uma em Acrelândia e uma em Tarauacá.

A Saúde também já contabiliza 366 altas. Dos pacientes que seguem em tratamento, 882 estão em isolamento domiciliar e 47 internados, sendo que onze seguem na UTI e 36 em enfermarias. Há ainda 373 exames na fila de espera.

Nesta sexta (8), Capixaba e Santa Rosa do Purus confirmaram os primeiros casos. Neste sábado (9), Brasileia também registrou o primeiro caso. Agora, das 22 cidades do estado, 17 têm confirmação da doença.

Até este sábado, o Acre já fez 4.768 exames, que 3.060 foram descartados, 1.335 confirmados e mais 373 seguem em análise. As cidades mais afetadas são Plácido de Castro, Rio Branco e Acrelândia. A taxa de contaminação no estado é de 151,4 casos a cada 100 mil habitantes.  Por G1AC. 

Casos de Covid-19 por cidades no Acre: 

CidadeCasos confirmados
Acrelândia28 (11 casos a mais)
Assis Brasil1
Bujari4
Cruzeiro do Sul46 (foi diminuído um caso)
Feijó1
Mâncio Lima3
Plácido de Castro68 (6 casos a mais)
Porto Acre8
Rio Branco1.124 (130 casos a mais)
Sena Madureira5 (3 casos novos)
Senador Guiomard15
Tarauacá16 (7 casos a mais)
Xapuri11 (um caso novo)
Epitaciolândia2
Santa Rosa do Purus1
Capixaba1
Brasileia1 (primeiro caso)

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco