NOSSAS REDES

ACRE

Cansados de esperar pela prefeitura, voluntários fazem mutirão de limpeza no Parque da Maternidade

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Passamos todos os dias pelo Parque da Maternidade e presenciamos a situação de abandono”. O relato é da coordenadora e idealizadora da campanha de limpeza e manutenção do Parque da Maternidade, Lidia Sales, ao explicar o motivo da iniciativa.
Desde fevereiro deste ano, cerca de 25 voluntários decidiram começar um mutirão de limpeza nos pontos mais críticos do parque. A campanha é uma iniciativa é da Casinha Ocupação Cultural, em parceria com o projeto Bike Anjo e artistas locais.
O mutirão já passou pelo Anfiteatro do parque e por um quiosque próximo ao local. “No Anfiteatro conseguimos tinta, pintamos o mural e parte do palco, varremos porque tinha muito caco de vidro e lavamos o local, jogando cal, inclusive nas escadas. Também mandamos roçar por conta própria”, conta Sales.

Os próximos pontos a receberem o mutirão de limpeza são a Praça do Culto e uma quadra esportiva, localizada próxima à Casinha Cultural.
Segundo a coordenadora, o objetivo da campanha é cuidar do local que, até o momento, encontra-se abandonado pelo poder público.
“Não adianta deixar só na mão do poder público porque já vimos que não resolve. Então, é arregaçar as mangas e trabalhar já que queremos um lugar agradável para viver. Se todos fizerem um pouquinho já ajuda. Acho que a ideia é unir as pessoas, tirar elas de casa por um bem comum.”
Os voluntários pretendem fazer parceria com a Secretaria de Meio Ambiente para criar placas de advertência sobre jogar lixo em locais públicos.
“A ideia da limpeza e manutenção mesmo veio do abandono, do ter que conviver com essa situação diariamente e por acreditar que a união faz a força. Não queremos tirar do poder público a responsabilidade, vamos ter o papel de cobrar o que é de obrigação deles”, destaca.
Sales comenta que além de deixar os espaços públicos mais bonitos, o ato de limpar proporciona um sentimento de renovação.
“A sensação é maravilhosa. Você passar por um local que antes era cheio de lixo e agora ele está limpo e você contribuiu para isso é renovador! Dá vontade de fazer mais e mais.”

Moradores consertam equipamentos de academia popular no parque
Academias comunitárias
Outro espaço que também está abandonado é o das academias comunitárias espalhadas pelo Parque da Maternidade. A coordenadora explica que uma das academias estava com um aparelho quebrado há mais de um mês.
Por isso, após proposta da coordenadora, os usuários do espaço fizeram uma cota para consertar o equipamento. “Nós mandamos consertar o aparelho e deve chegar hoje [segunda-feira, 29] à tarde”.

Fonte: Bruna Lima, da A Gazeta do Acre

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco