NOSSAS REDES

AMAZÔNIA

Bolsonaro destruirá a Amazônia ?

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Amazônia no bolso.

Bolsonaro na Presidência pode levar a processo irreversível de derrubada da floresta amazônica.

Na foto de capa: Presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro concede entrevista ao Jornal Nacional. 08.out.2018. Reprodução. TV Globo.

Nunca imaginei que veria a ditadura militar (1964-1985) cair, nem o Muro de Berlim, nem as Torres Gêmeas de Nova York. É fácil imaginar, porém, que um processo irreversível de derrubada da floresta amazônica tenha início com a ascensão de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.

Nem é bom lembrar tudo o mais que o país acabará perdendo caso as intenções de voto apuradas em pesquisas se confirmem nas urnas. Gente mais competente já falou e escreveu sobre isso –e de nada adiantou.

Caminhões com toras de madeira extraídas ilegalmente apreendidas pelo IBAMA na região de Novo Progresso (PA)
Caminhões com toras de madeira extraídas ilegalmente apreendidas pelo IBAMA na região de Novo Progresso (PA) – Lalo de Almeida/Folhapress.

Melhor manter o foco no nicho ecológico do jornalismo de ciência e ambiente, habitat ora em risco de extinção. Quem não ficar de cabelos em pé com o que vem para frente –ou abaixo– está desinformado, mal-intencionado ou só sabe do que vê em grupos de WhatsApp.

Bolsonaro e seu bando deixaram claro qual é o programa antiecológico. Acabar com o Ministério do Meio Ambiente, garrotear Ibama e ICMBio e pô-los sob a pata dos bois num Ministério do Agro é Tudo sob o comando da UDR? Só o começo.

Dá medo pensar no que pode fazer com a Funai. Mais terra para índios indolentes, como diria o general Mourão? Fora de cogitação. Antes vender as que já existem.

Voltamos 30 anos no tempo, quando se dizia que terras indígenas iriam criar países independentes encravados no solo nacional. Ou que a criação de unidades de conservação levaria à perda de soberania num “Território Internacional Anteriormente Conhecido como Amazônia Brasileira” –o espantalho do “corredor ecológico” de milhões de quilômetros quadrados reconstruído por Bolsonaro.

A diferença: hoje muito mais gente, milhões de pessoas, parece acreditar nessas asneiras da direita mais tacanha. Ou quer acreditar. Escolheu acreditar.

Na semana em que o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC, em inglês) publicou novo relatório alertando governos de que podem restar menos de duas décadas para evitar o pior do aquecimento global, em que o Nobel de Economia foi para estudiosos do impacto da transição climática e em que o furacão Michael castigou a Flórida, o que faz o mitômano?

Reafirma que vai tirar o Brasil do Acordo de Paris. Só falta dizer que o aquecimento global é uma farsa montada pelos chineses (vai ver já disse, e nós não ficamos sabendo porque estamos fora da bolha dos grupos de mensagem que lhe dão suporte).

Não tenham dúvida de que toda essa baboseira irresponsável será entendida nos grotões da Amazônia como senha para ligar as motosserras, esticar os correntões, recarregar as armas e sair à caça de posseiros, índios e quilombolas. O infame videogame em que negros e mulheres são atropelados por caminhoneiros não é só brincadeira, revela um sintoma.

Espantoso é que gerentes do mercado de capitais, de bancos e do capitalismo dito moderno, desses vegetarianos que gostam de andar de bicicleta na avenida Faria Lima e doar para ONGs para ajudar o ambiente, estejam apoiando Bolsonaro. Qual parte do que ele e seus generais falam essa gente não entende?

Cerca de 20% da floresta amazônica já foi ao chão, e pesquisas sérias estimam que a derrubada de outro tanto pode enveredá-la num caminho sem volta, numa espiral de ressecamento conhecida como “die-back”. Sem mencionar o recrudescimento dos conflitos sociais e fundiários.

O capitão reformado no Planalto, tomando o que diz por seu valor de face, está pronto para acender esses rastilhos. Se o pior acontecer na Amazônia, o pessoal da Faria Lima terá as mãos sujas de sangue e de cinzas.

Marcelo Leite

Jornalista especializado em ciência e ambiente, autor de “Ciência – Use com Cuidado”. Folha SP.

ACRE

Em busca de alimentos, índios isolados fazem contato em aldeia no AC: ‘Parente bom, não mexe com a gente’, diz cacique

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Ao menos 10 índios isolados fizeram contato há aproximadamente uma semana com a Aldeia Terra Nova, onde vivem os Kulina Madiha, do Alto Rio Envira, no interior do Acre.

capa: Em busca de alimentos, índios isolados fazem contato em aldeia no AC — Foto: Divulgação/Funai/Arquivo G1. 

Ao menos 10 índios isolados fizeram contato há aproximadamente uma semana com a Aldeia Terra Nova, onde vivem os Kulina Madiha, do Alto Rio Envira, que fica localizada próxima ao município de Feijó, no interior do Acre, na fronteira do estado acreano com o Peru.

Ao G1, o chefe da Aldeia Terra Nova, cacique Cazuza Kulina, disse que um “índio brabo”, como os isolados são chamados, fez contato no local e ainda chegou a passar a noite na casa de um parente do cacique.

“Demos roupas, cobertas, alguns utensílios, macaxeira, banana, dormiu na casa do meu genro. Ele pegou tudo e foi embora, nem vimos quando ele foi embora.”

Sobre a comunicação, Cazuza, que também não fala muito bem o português, disse que eles conseguem se entender.

“São índios brabos, a gente entende um pouco a gíria de índio, são parentes, eles vêm pelo rio em grupos e vão embora para a aldeia deles”, disse.

O cacique disse ainda que no dia seguinte um grupo com mais de 10 índios isolados voltou na aldeia em buscado dos que tinham pernoitado no local. “Eram mulheres, crianças e homens adultos, depois voltaram pelo rio para a aldeia deles. Fica a mais de quatro horas daqui onde eles vivem isolados, mas eles são parentes bons, não mexem com a gente”, afirmou.

O G1 falou com o chefe-substituto da Coordenação Técnica Local da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Feijó, José Augusto Brandão, e ele confirmou o contato.

“Eles contaram que um dos índios foi pescar e se deparou com o grupo de pelo menos 10 pessoas. Eles se aproximaram e pegaram um dos índios e ele foi até a aldeia. Isso ocorreu perto da antiga fazenda Califórnia. Os outros índios brabos foram embora. Eles [kulinas] pegaram o índio para ter contato com ele, até porque eles não se machucam. O isolado passou um dia lá, eles cederam pescado, machado, utensílios de casa e quando amanheceu o dia ele não estava mais lá, foi embora.”

Perigo da Covid-19 nas aldeias

Sobre o contato e o perigo de os índios serem contaminados com a Covid-19 e outras doenças, Brandão disse que depois que começou a pandemia os índios de aldeias estão isolados.

“Os kulinas e demais etnias também estão isolados, nesse momento de pandemia, para evitar que eles sejam contaminados. A Funai e a Sesai [Secretaria Especial de Saúde Indígena] estão levando cestas básicas para as comunidades. Eles [indígenas] estão protegidos, só quem vai lá nas aldeias são as equipes médicas que levam o necessários para que eles não precisem ir até a cidade”, afirmou.

Continue lendo

ACRE

Artigo: Mais respeito pelo médico*

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Nas últimas semanas intensificaram-se ataques injustos e descabidos à categoria médica, ofensas generalizadas e acusações que não se verificam como reais, por isso acredito ser justo debater o assunto que vem incomodando a mim e aos colegas. A impressão repassada é de ódio contra a classe, não importando o trabalho realizado com dedicação, principalmente nesse período de pandemia pelo novo coronavírus (Covid-19), em que boa parte da categoria está atuando e correndo risco de contaminação e morte.

Mesmo com risco de comprometer a própria saúde para continuar atendendo as pessoas que mais precisam, o médico continua sendo alvo de ofensas, como vistas nas redes sociais e em outros meios, palavras que trazem apenas a discórdia e a ameaça para as vidas daqueles que buscam curar, independentemente da burocracia governamental e da falta de estrutura.

Existe ainda um desrespeito pelo ato médico, opinião técnica descrita nos prontuários e em rotinas adotadas em hospitais que são exclusivamente pautadas pelo profissional formado em medicina, e que vem sendo questionada de forma oportunista por pessoas de outras áreas, pessoas com nível superior que deveriam entender e respeitar.

Para rebater ataques, o nosso Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) vem trabalhando diuturnamente, acolhendo a reclamação do profissional e dando apoio aos filiados, acionando a banca de advogados e buscando mostrar que o médico não é o culpado pelos males vividos pelos pacientes.

Faço um recorte da realidade: profissional que sai de casa para um plantão de, no mínimo, 12 horas. Jornada inclui sábado, domingo e feriados, não importando o dia santo ou a data festiva. Mesmo com os problemas causados pelo sistema, o médico está atuando, lutando contra o câncer, contra uma parada cardiorrespiratória e até contra a Covid-19, que vem ceifando vidas de forma surpreendente.

Existem problemas? Sim, sempre, pois o profissional, que por lei tem direito ao intervalo de descanso, muitas vezes, precisa fazer uma jornada sem se alimentar ou sem ir ao banheiro, mesmo sendo um ser humano, uma pessoa, que precisa estar bem para tratar de outras pessoas. Existem vários casos de médicos morrendo durante o próprio plantão, ou atendendo um paciente, enquanto ele mesmo recebe medicação via intravenosa ou um soro.

É importante informar que o paciente ou os acompanhantes chegam à unidade com os ânimos já alterados. Claro, o medo de ter algum problema de saúde que resulte em morte causa alterações de humor, falas mais ríspidas e exaltadas, mas o paciente não é denunciado nas redes sociais ou em jornais por isso, nem tão pouco é negado atendimento. Ele é recebido, medicado e examinado, como prevê o treinamento e o juramento.

É preciso ter respeito pelo profissional e confiar que ele realizará o seu melhor. Não é correto tentar interferir na ação do médico. Outro médico, por dever ético, sabe que não deve interferir na atuação do colega, Outros profissionais também precisam respeitar, pois apenas o paciente pode permitir acesso ao seu prontuário, e o tratamento é discutido entre o paciente e o médico, assim, um terceiro só pode intervir se possuir autorização expressa da parte interessada. Mais respeito ao médico!

*Murilo Batista

Presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC)

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco