NOSSAS REDES

ACRE

Artigo: Daniel Zen precisa respeitar o povo acreano

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Por Ribamar Costa, presidente do Sindmed-AC

Após mais uma derrota do projeto de terceirização dos serviços públicos do Acre, o governo, que entregaria a uma Organização Social (OS) os setores de urgência e emergência de Rio Branco, agora, tenta abusar do próprio poder para desrespeitar mais uma vez a democracia.

O Executivo tenta forçar a todo custo colocar de joelhos a Casa do Povo Acreano, a Assembleia Legislativa, ameaçando propor de novo a votação de um famigerado projeto já enterrado por decisão e pressão popular.

Antes, o governo tentou passar por cima dos órgãos do controle sociais, como o Conselho Estadual de Saúde (CES), O Ministério Público do Acre e as entidades sindicais, ignorando a necessidade de debate e o cumprimento da legislação, tentando emplacar extrema urgência na proposta de entregar o serviço de saúde para uma ONG sem procedência alguma.

Em uma casa onde o governo tem maioria absoluta, a bancada da oposição e mais 2 deputados governistas sepultaram os planos obscuros de terceirizar serviços, minimizando o estrago, o abandono, a má gestão da saúde do Acre que coleciona obras inacabadas, algumas, inconclusas há mais de 10 anos na capital e no interior do Estado.

Hospitais do interior amargam a falta de alimentos para pacientes internados, que são supridos pela cotização de abnegados funcionários que trazem de casa alimentos para dividir com os pacientes em tratamento hospitalar. Locais em que são constatadas a falta gritante de medicamentos, situação tantas vezes denunciadas pelos pacientes e entidades sindicais e sem resposta dos gestores, mas nenhum plano emergencial traz resolução para suprir esse grave problema.

Destaco a falta de recursos humanos: faltam médicos especialistas no interior, problema esse do conhecimento da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) e sem solução efetiva para cidades como Cruzeiro do Sul, cuja Maternidade é referência da região do Juruá, funcionando há 8 anos com equipes de médicos obstetras que se deslocam semanalmente de Rio Branco para suprir a falta de plantonistas durante a semana e finais de semana.

A fixação de médicos nos rincões acreanos se torna impossível com contratos precários, que se intitulam de emergenciais ou provisórios, que são mensais, trimestrais, semestrais e desrespeitam as orientações da legislação do nosso país, negando direitos fundamentais como insalubridade, férias, licença prêmio e adicional noturno aos fins de semana, em desacordo também com a Constituição e com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Notas e mensagens do governo e de seu líder na Assembleia Legislativa, postadas na rede social e nas mídias digitais destacam que quem mais perdeu foi a população pobre, procurando, com isso, desqualificar o trabalho dos deputados e sindicatos que de forma cirúrgica, extirparam com precisão e maestria um tumor canceroso que iria alimentar uma empresa, que sugaria dos cofres públicos cerca de 20 milhões de reais do combalido tesouro do Estado do Acre.

Esse dinheiro poderá ser utilizado para a compra de insumos para melhorar o atendimento das necessidades das unidades de saúde como medicamentos, alimentos, materiais para cirurgias, fixadores cirúrgicos, para contratar profissionais e pagar plantões extra, recurso que poderá colaborar também com o reparo de equipamentos e a manutenção de veículos, ambulâncias, equipamentos de raio-x, lençóis, equipamentos de proteção individual para funcionários etc.

As entidades querem que o dinheiro ajude a salvar vidas!

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco