NOSSAS REDES

ACRE

Após cidades do AC saírem da faixa de emergência, especialista alerta: ‘não é momento de relaxar’

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Infectologista fala que, apesar da necessidade de flexibilização por parte da economia, é importante dizer que não é momento de comemoração.

Capa: Após reclassificação de cidades do AC na pandemia, especialista faz alerta à população: ‘não é momento de relaxar’ — Foto: Júnior Aguiar/Secom.

Mesmo com todas as cidades do Acre sendo reclassificadas para a fase laranja, de alerta, na avaliação dos casos de Covid-19 feita pelo Comitê de combate à doença, o infectologista Alan Areal alertou que a população não deve relaxar nas medidas de prevenção contra a doença.

O Acre registra 17.462 casos de Covid-19, segundo último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) nessa segunda-feira (20). O número de vítimas fatais pela doença chegou a 465.

“Não é momento de relaxarmos as medidas de isolamento e distanciamento social. Temos que redobrar ainda mais os cuidados com higiene das mãos, superfícies e uso de máscara. É importante entendermos a necessidade dessa flexibilização por parte da economia, mas que isso não leve, na contramão, a um relaxamento e um certo descuido por parte da população de que a situação da pandemia está totalmente sob controle. Nós sabemos que esse não é o momento ainda de comemorarmos”, disse Areal.

O especialista destaca ainda a importância dos setores e cidades respeitarem os protocolos estabelecidos para a retomada das atividades para que não haja um aumento do número de casos de Covid-19 no estado.

“Temos que tentar fazer com que esse retorno gradual, em torno de 30%, não contribua para que haja um aumento de casos e esses indicadores que, nesse momento, estão favoráveis ao controle relativo da pandemia, possam, de repente, se inverter e a curva voltar a ser crescente. Principalmente levando em consideração nossos leitos de UTI para que não voltem a estar em uma situação de colapso, com quase sua totalidade de ocupação”, alertou.

Esse aumento expressivo de casos após reabertura de comércio já pode ser percebido na cidade de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre. Somente em 24h, de domingo (19) a segunda (20), foram confirmados 43 novos casos de Covid-19, totalizando 2.465.

A regional do Vale do Juruá e Tarauacá/Envira foi a primeira a mudar para fase de alerta no último dia 6 e, de lá para cá, os números de casos da doença têm saltado diariamente. Na nova avaliação, a regional se manteve nesta fase e não passou para a amarela.

demanda de internação também aumentou na segunda maior cidade do Acre, chegando a ficar com 100% de ocupação dos leitos clínicos e 70% dos leitos de UTI dois dias após liberar abertura do comércio.

Setores podem reabrir

Na fase laranja, lojas de móveis, eletrodomésticos, eletrônicos, comunicação, informática, áudio, vídeo e colchoarias podem reabrir seguindo protocolos sanitários: a capacidade limitada a 30% do total, além de delivery e drive-thru.

Também podem reabrir as lojas de materiais de construção, empresas e obras do ramo da construção civil e demais estabelecimentos como olaria, cerâmicas, serraria, marcenarias marmoraria seguindo os protocolos de 30% e todas as medidas de distanciamento e higienização.

Bares e estabelecimentos similares também podem funcionar nessa fase, mas, exclusivamente, com atendimento delivery ou drive thru. A medida também vale para os restaurantes, pizzarias, lanchonetes, sorveterias e similares que também podem funcionar somente com delivery e/ou drive-thru.

As fases são definidas por bandeiras, há ainda: a de atenção, classificada pela cor amarela, e cuidado na cor verde.

Permanecem suspensos

Mesmo com as três microrregiões saltando para a fase laranja, alguns setores ainda não podem reabrir, de acordo com os critérios que foram divulgados pelo governo por meio do Pacto Acre sem Covid. Veja o que não pode voltar a funcionar no estado:

  • Bares, distribuidoras e similares (continua com delivery ou drive drive-thru);
  • Restaurantes, pizzarias, lanchonetes e sorveterias (continua com delivery ou drive drive-thru);
  • Academias de ginástica, clubes esportivos e de lazer e similares;
  • Eventos religiosos em templos ou locais públicos;
  • Teatros, cinemas e apresentações culturais.

Recomendação

O plano do governo do Acre que recebeu o nome de Pacto Acre sem Covid, foi apresentado no dia 22 de junho. Já os critérios foram publicados no dia 4 de julho.

Mesmo com estes critérios, alguns municípios no interior chegaram a autorizar a realização de atividades religiosas e até mesmo a abertura de academias. Um levantamento feito pelo G1 apontou que 11 cidades liberaram atividades que descumpriam o decreto estadual.

Para garantir o cumprimento do decreto estado, o Ministério Público Estadual (MP-AC) expediu, na última semana, uma recomendação para que as cidades se adequassem ao plano do governo.

Até esta segunda (20), quatro municípios tinham voltado atrás e publicado novos decretos com a Decisão. Além disso, o promotor Glaucio Oshiro informou que já recebeu resposta da maioria das prefeituras e que quem não se adequou para atender, primeiro vai ser feita uma conversa para tentar o entendimento e posteriormente, uma possível punição.

Apesar da recomendação, nesta terça-feira (21), o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, “avançou” a cidade para a fase amarela, que é de atenção. O prefeito disse que aderia ao pacto, mas com algumas exceções porque quer que a avaliação seja separada.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco