NOSSAS REDES

ACRE

Acre registra 14 casos de feminicídio em um ano, diz Segurança Pública

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Nos últimos três anos o Acre registrou 28 casos de feminicídio. Relatório de ONG aponta que o Brasil vive uma epidemia de violência doméstica.

O Acre registou 14 casos de feminicídio em 2018. Os dados são da Segurança Pública do Estado (Sesp). Esse é o maior número de casos registrados no estado nos últimos três anos.

Em 2017 foram 13 casos de feminicídio registrados e em 2016 apenas um caso. O crime é configurado como feminicídio nos casos em que a morte da mulher foi motivada pela condição de gênero.

Um relatório da ONG Human Rights Watch aponta que o Brasil vive uma epidemia de violência doméstica. O estudo foi divulgado nesta quinta (17) e destaca o problema da violência generalizada contra as mulheres no Brasil.

O relatório da ONG cita dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O levantamento indica que houve o registro de 4.539 mortes de mulheres em 2017, sendo que a polícia registrou 1.133 como feminicídios. O relatório aponta que o número de feminicídios está provavelmente subnotificado.

Morta na frente dos filhos

Em dezembro de 2018, Eduilson dos Santos foi condenado, no dia 4 de dezembro, a 28 anos e seis meses de prisão em regime fechado pelo crime de feminicídio. Em 2010, Santos matou a mulher Maria Claudia Oliveira, de 30 anos, a golpes de terçado, na Vila Caquetá, na zona rural de Porto Acre.

O homem ficou foragido até 2018 e foi capturado em Mato Grosso. Maria foi achada morta abraçada a um bebê de nove meses. Os outros dois filhos do casal viram toda a cena.

Ainda no ano passado, Erbson da Costa Araújo foi condenado a 27 anos e Antônio Jailson Ribeiro dos Santos a 19 anos de prisão pelo feminicídio de Luana Santos da Costa, de 19 anos.

O crime teria sido causado por um acerto de contas após a jovem ter sido infiel. Luana foi morta a tiros em março de 2017, na Rua do Barro, no bairro Ayrton Sena, em Rio Branco. Durante as investigações, a Polícia Civil apontou que a jovem estava envolvida com o tráfico de drogas.

Dia da Não Violência Contra a Mulher

Em Rio Branco, uma lei de combate à violência contra a mulher recebeu o nome da vendedora Keyla Viviane dos Santos. A vítima foi morta com duas facadas, uma no peito e outra na virilha, pelo ex-marido, Adjunior Sena, de 32 anos, em frente à loja em que trabalhava. O caso ocorreu em março de 2016 e causou comoção.

Na época, uma câmera de segurança do estabelecimento flagrou toda a ação. Em junho de 2016, a Justiça do Acre condenou o ex-marido da vendedora a 27 anos e 6 meses de prisão pelo crime.

A lei nº 2.210 com o nome de Keyla foi sancionada sete meses após a morte dela e inclui no calendário oficial da cidade o dia 1º de março com o “Dia Municipal da Não Violência Contra a Mulher”.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Balneários de Brasiléia são fechados por falta de segurança

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os balneários Kumarurana e Jarinal, localizados na zona rural do município de Brasiléia, foram fechados no último fim de semana, pelo 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros, sediado naquele município, por não estarem cumprindo as normas de segurança.

Bastante frequentados pela população da região da fronteira e de outros municípios do estado, os espaços de lazer foram notificados a reabrir somente depois que se adequarem às exigências legais, principalmente contratando o serviço de salva-vidas.

“O local oferece esses banhos e cobram entrada das pessoas. Os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia tem esses profissionais devidamente treinados e qualificados que deveriam estar oferecendo segurança aos banhistas”, explicou o sargento Vivian.

A ida do Corpo de Bombeiros aos balneários, com o apoio da Polícia Militar, se deu após denúncia de irregularidades. Nos locais, foi confirmada a falta do Atestado de Funcionamento e os banhistas tiveram que deixar a água por medida de segurança.

Em um dos casos, os militares foram desacatados por um frequentador em visível estado de embriaguez. O homem recebeu voz de prisão foi detido por desacato, sendo levado à delegacia onde foi ouvido e liberado.

Os estabelecimentos poderão responder jurídica e administrativamente caso reabram sem tomar as medidas de segurança exigidas para o seu funcionamento. Entre as possíveis sanções estão multa e perda do alvará de funcionamento.

Com colaboração e fotos do jornalista Alexandre Lima.

Continue lendo

ACRE

Taxa de ocupação em leitos de UTI para a Covid-19 é de 30% no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A taxa geral de ocupação de leitos de Unidade Tratamento Intensivo (UTI) exclusivos para pacientes com a Covid-19 no Acre está em torno de 30% nesta segunda-feira (14).

Os dados são do Boletim de Assistência ao Enfrentamento da Covid-19, emitido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). O boletim mostra a ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), por especialidade do leito e por regional.

Segundo dados oficiais, das 126 internações em leitos do SUS, 80 testaram positivo para Covid-19, ou seja, a maioria das pessoas que buscam atendimento médico foram infectadas pelo vírus.

Na região do Baixo Acre, que engloba as cidades de Rio Branco, Sena Madureira, Plácido de Castro e Acrelândia, das 70 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), 27 estão ocupadas registrando uma taxa de ocupação de 38,6%.

A menor taxa de ocupação está na região do Juruá, que engloba Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Marechal Thaumaturgo, dos 20 leitos de UTI existentes, nenhum está ocupado, registrando 0% de ocupação. Os leitos clínicos somam 95 e 23 estão ocupados, registrando 24,2% de ocupação.

Já regional do Alto Acre, que engloba as cidades de Brasileia e Epitaciolândia, não há registro de uma ocupação de leitos de enfermaria num total de 19 leitos disponíveis. A regional do Alto Acre é a única que não tem leitos de UTI para a Covid-19.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

    Feedback
    WhatsApp Fale conosco